Partograma: instrumento de segurança no cuidado multidisciplinar

Palabras clave: Enfermagem Obstétrica, Segurança do Paciente, Trabalho de Parto, Pesquisa Interdisciplinar, Obstetrícia

Resumen

Introdução: O partograma é um traçado de representação gráfica do trabalho de parto que concebe o desencadeamento de sua evolução, permitindo a visualização das alterações no decorrer do partejar. O estudo objetivou descrever o conhecimento sobre partograma por enfermeiros e médicos de uma maternidade escola. Materiais e Métodos: Estudo transversal realizado com enfermeiros e médicos em maternidade escola do nordeste brasileiro. A amostra foi constituída por 8 enfermeiros e 39 médicos. Resultados: Observou-se que a maior parte já fez curso ou treinamento relacionado à ferramenta. Todavia, em 27,6% dos casos ocorrem dúvidas sobre seu manejo. Sobrecarga no plantão; falta de conhecimento no preenchimento e ausência de continuidade foram considerados aspectos dificultadores. Quanto às situações nas quais se deve abrir o instrumento, as mais citadas foram gestantes em trabalho de parto na fase ativa e trabalho de parto normal. Discussão: É indiscutível a importância e necessidade do partograma no decorrer do trabalho de parto. As informações retiradas a partir dele orientam o profissional para os próximos passos a serem seguidos. Conclusão: Acredita-se que o uso do partograma é essencial no processo de parto, e que os conhecimentos referentes à sua utilização são fundamentais na prática. Contudo, mesmo na maternidade, o uso da ferramenta é incipiente.

Como citar este artigo: Medeiros, Anderson Brito de; Freire, Izaura Luzia Silvério; Santos, Fernanda Rafaela dos; Silva, Bárbara Coeli Oliveira da; Batista, George Felipe de Moura; Menezes, Márcio Moreira de. Partograma: instrumento de segurança no cuidado multidisciplinar. Revista Cuidarte. 2020; 11(3): e1046. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1046    

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Anderson Brito de Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil

Izaura Luzia Silvério Freire, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil

Fernanda Rafaela dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil.

Bárbara Coeli Oliveira da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil.

George Felipe de Moura Batista, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Brasil.

Márcio Moreira de Menezes, Prefeitura de Macaíba. Macaíba, Brasil.

Prefeitura de Macaíba. Macaíba, Brasil.

Citas

Gomes SC, Silva JA, Oliveira DR, Machado MFAS, Pinheiro AKB, Quirino GS. História oral como método para a compreensão do ofício das parteiras do semiárido brasileiro. Texto Contexto Enferm. 2018;27(3):e2470017. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072018002470017

Cagnin ERG, Mamede MV, Mamede FV. Atenção qualificada ao trabalho de parto: um estudo descritivo. Rev Enferm UFPE On Line. 2014;8(10):3266-74. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v8i10a10056p3266-3274-2014

Oliveira VJ, Penna CMM. Cada parto é uma história: processo de escolha da via de parto. Rev Bras Enferm. 2018;71(Suppl 3):1304-12. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0497

Lucena TS, Santos AAP, Morais RJL. Análise do preenchimento do partograma como boa prática obstétrica na monitorização do trabalho de parto. Rev Fun Care Online. 2019;11(1):222-7. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i1.222-227

Friedman EA. Graphic analysis of labor. J Midwifery Womens Health. 1959;4(3-4):94-105. http://dx.doi.org/10.1111/j.1542-2011.1959.tb00531.x

World Health Organization. WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization; 2018.

Vasconcelos KL, Martins CA, Mattos DV, Tyrrell MAR, Bezerra ALQ, Porto J. Partograma: instrumento para segurança na assistência obstétrica. Rev Enferm UFPE On Line. 2013;7(2):619-24. http://dx.doi.org/10.5205/1981-8963-v7i2a13685p619-624-2013

Vendrúscolo, CT; Kruel, CS. A história do parto: do domicílio ao hospital; das parteiras ao médico; de sujeito a objeto. Disciplinarum Scientia. 2015;16(1):95-107.

Souza EB, Rocha LJ, Waldrigues MC, Visentin A, Caveião C, Brey C. O processo de trabalho do enfermeiro na assistência ao parto em uma maternidade de Curitiba-PR. Evinci. 2015;1(4):1-22.

Jiménez-Hernández GE, Peña-Jaramillo YM. Adherencia a las recomendaciones de la OMS en la atención del parto y nacimiento humanizado. Medellín, Colombia. Rev Univ Ind Santander Salud. 2018;50(4):320-7. http://dx.doi.org/10.18273/revsal.v50n4-2018005

Moraes-Filho IM, Barreto DPO, Santos OP, Félis KC, Santos CCT, Oliveira ACD. A eficácia da implementação do partograma na assistência a parturiente. Rev Inic Cient Ext. 2018;1(Esp. 3):288-93.

Sousa AMM, Souza KV, Rezende EM, Martins EF, Campos D, Lansky S. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc Anna Nery. 2016;20(2):324-31. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160044

Alexandre DFSN, Mamede FV, Prudêncio PS. O uso do partograma por profissionais de enfermagem durante o trabalho de parto. Enfermagem Obstétrica. 2016;3:e34.

Reis GAX, Oliveira JLC, Ferreira AMD, Vituri DW, Marcon SS, Matsuda LM. Dificuldades para implantar estratégias de segurança do paciente: perspectivas de enfermeiros gestores. Rev Gaúcha Enferm. 2019;40(esp):e20180366. https://doi.org/10.1590/1983- 1447.2019.20180366

Bordignon M, Monteiro MI, Mai S, Martins MFSV, Rech CRA, Trindade LL. Satisfação e insatisfação no trabalho de profissionais de enfermagem da oncologia do Brasil e Portugal. Texto Contexto Enferm. 2015;24(4):925-33. http://dx.doi.org/10.1590/0104-0707201500004650014

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Centro de Inovação Unimed BH. Centro de Avaliação de tecnologias em saúde: revisando o uso do partograma e seu papel nas indicações de cesariana intraparto. Nota técnica de revisão rápida. Belo Horizonte: Centro de Inovação Unimed BH; 2015.

Organização Mundial da Saúde. O partograma. Parte I Princípios e Estratégias. Adaptado para o Paraná pela SESA e Comitê Estadual de Mortalidade Materna. Adaptado pela SESA e Comitê Estadual de Mortalidade Materna do Pará. Tradução: Heitor Passerino Neto. Curitiba: SESA e Comitê Estadual de Mortalidade Materna; 1999.

Publicado
2020-08-31
Cómo citar
1.
Medeiros AB de, Freire ILS, Santos FR dos, Silva BCO da, Batista GF de M, Menezes MM de. Partograma: instrumento de segurança no cuidado multidisciplinar. Rev Cuid [Internet]. 31 de agosto de 2020 [citado 19 de septiembre de 2020];11(3). Disponible en: https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/1046
Sección
Artículos de Investigación