Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem atuantes em setores críticos

Resumen

Introdução: Os serviços desenvolvidos em setores críticos são destinados a pacientes que necessitam de cuidados especializados em tempo hábil, tomada de decisão correta e utilização de recursos tecnológicos avançados para monitorização constante. O objetivo do estudo foi analisar a qualidade de vida de profissionais de enfermagem atuantes em setores críticos. Materiais e Métodos: Estudo transversal, quantitativo, com 75 profissionais de enfermagem de setores críticos. Destes, 11 do Pronto Socorro; 26 do Centro Cirúrgico; 23 da Unidade de Terapia Intensiva Adulto e; 15 da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de um hospital filantrópico, os quais responderam ao questionário auto aplicado sobre qualidade de vida (WHOQOL-BREF), que foi submetido à análise descritiva. Resultados: A maioria dos participantes era do sexo feminino (78,7%), idade média de 30 anos, casado (53,3%) e obtiveram escore total elevado de qualidade de vida (73,33). O domínio Relações Sociais foi o melhor avaliado e o que recebeu o pior escore foi o domínio Físico. Discussão: O domínio físico se relaciona ao sono/repouso, o exercício do trabalho em turnos ou plantões é um fator gerador de estresse, e pode influenciar na saúde e na qualidade de vida dos profissionais. Conclusões: Os profissionais de enfermagem possuem uma qualidade de vida satisfatória, entretanto, questões relacionadas à saúde física e a estrutura da instituição ainda se apresentam como fatores que interferem na qualidade de vida dos trabalhadores.

Como citar este artigo: Souza VS, Silva DS, Lima LV, Teston EF, Benedetti GMS, Costa MAR, et al. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem atuantes em setores críticos. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2177-86. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.506

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Verusca Soares de Souza, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Paraná, Brasil.
Doutoranda em Enfermagem. Professora do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Paraná, Brasil.
Daniela Siqueira da Silva, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campus Paranavaí (PR), Paranavaí, Brasil.
Enfermeira pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campus Paranavaí (PR), Paranavaí, Brasil.
Liziane Viana Lima, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campus Paranavaí (PR), Paranavaí, Brasil.
Enfermeira pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campus Paranavaí (PR), Paranavaí, Brasil.
Elen Ferraz Teston, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Paraná, Brasil.
Doutora em Enfermagem. Professora do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Paraná, Brasil.
Gabriella Michel dos Santos Benedetti, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Paraná, Brasil.
Doutoranda em Enfermagem. Professora do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Paraná, Brasil.
Maria Antônia Ramos Costa, Centro de Ciências da Saúde e Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Paraná- Campus Paranavaí, Paranavaí, Brasil.
Doutora em Enfermagem. Diretora do Centro de Ciências da Saúde e Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Paraná- Campus Paranavaí, Paranavaí, Brasil.
Renata Rodrigues Mendonça, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campus Paranavaí (PR), Paranavaí, Brasil.
Enfermeira pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Campus Paranavaí (PR), Paranavaí, Brasil.

Citas

Acioli NA, Araújo R, Pitangui A, Menezes L, França E, Costa E, et al. Qualidade de vida e nível de atividade física de profissionais de saúde de unidades de terapia intensiva. Rev. bras. ativ. fís. saúde. 2013; 18(6): 711-9. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.18n6p711

Maria AL. Síndrome de Burnout em diferentes áreas profissionais e seus efeitos. Acta Brasileira do Movimento Humano. 2016; 6(3): 1-12.

The Whoqol Group. The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the whoqol). In: Orley J, Kuyken W, editors. Quality of life assessment: international perspectives. Heidelberg: Springer Verlag; 1994. p. 41-60. https://doi.org/10.1007/978-3-642-79123-9

Rodrigues CCFM, Santos VEP, Sousa P. Segurança do paciente e enfermagem: interface com estresse e Síndrome de Burnout. Rev. Bras. Enferm. 2017; 79(5): 1141-7. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0194

Nazario EG, Camponogara S, Dias GL. Riscos ocupacionais e adesão a precauções-padrão no trabalho de enfermagem em terapia intensiva: percepções de trabalhadores. Rev. bras. saúde ocup. 2017; 42: e7. http://dx.doi.org/10.1590/2317-6369000009216

Souza JD, Júnior JMP, Miranda FAN. Stresse em serviço de urgência e os desafios para enfermeiros brasileiros e portugueses. Rev. Enf. Ref. 2017; serIV (12): 107-16. http://dx.doi.org/10.12707/RIV16064

Azevedo BS, Nery AA, Cardoso JP. Estresse ocupacional e insatisfação com a qualidade de vida no trabalho da enfermagem. Texto & contexto enferm. 2017; 26(1): 1-11. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072017003940015

Fleck MPA, Chachamovich E, Trentini C. Development and validation of the Portuguese version of the whoqol-old module. Rev Saude Publica. 2006; 40(5): 785-91. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000600007

Pimenta AM, Assunção AA. Estresse no trabalho e hipertensão arterial em profissionais de enfermagem da rede municipal de saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Rev. bras. saúde Ocup. 2016; 41: e6. http://dx.doi.org/10.1590/2317-6369000113515

Conselho Federal de Enfermagem. Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1986; Seção 1.

Versa GL, Matsuda LM. Satisfação profissional da enfermagem intensivista. Rev. enferm. UERJ. 2014; 22(3): 409-15.

Dimenstein M, Siqueira K, Macedo JP, Leite J, Dantas C. Determinação social de saúde mental: contribuições a psicologia no cuidado territorial. Arq. bras. psicol. 2017; 69(2): 72-87.

Santana RS, Brito BA, Ferreira JL, Silva AF, Cunha MB, Viana LV. Influência do trabalho noturno na qualidade de vida da equipe de enfermagem da UTI. Rev. Interd. 2015; 8(2): 25-34.

Oliveira LP, Araújo GF. Características da síndrome de burnout em enfermeiros da emergência de um hospital público. Revista Enfermagem Contemporânea. 2016; 5(1): 34-42. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i1.834

Vega MEP, Cibanal LJ. Impacto psicosocial en enfermeras que brindan cuidados en fase terminal. Rev Cuid. 2016; 7(1): 1210-8. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i1.295

Mendes SS, Martino MMF. Trabalho em turnos: estado geral de saúde relacionado ao sono em trabalhadores em enfermagem. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012; 46(6): 1471-6. https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000600026

Volpato YGF, Martins MR. Avaliação da qualidade de vida da equipe de enfermagem da UTI geral de um hospital filantrópico no interior do Paraná. Revista UNINGÁ. 2013; 36: 81-8.

Mascarenhas CHM, Prado FO, Fernandes MH, Boeri EN, Sena ELS. Qualidade de vida em trabalhadores da área de saúde: uma revisão sistemática; Espaç. Saúde (Online). 2013; 14(1/2): 1-10.

Chaves JA, Guimarães MGV. Análise do clima organizacional em centro cirúrgico de um Hospital Universitário da cidade de Manaus. Revista FAROL. 2016; 1(1): 206-19.

Hercos TM, Vieira FS, Oliveira MS, Buetto LS, Shimura CMN, Sonobe HM. O Trabalho dos Profissionais de Enfermagem em Unidades de Terapia Intensiva na Assistência ao Paciente Oncológico. Rev. Bras. Cancerol. (Online). 2014; 60(1): 51-8.

Publicado
2018-05-04
Cómo citar
Soares de Souza, V., Siqueira da Silva, D., Viana Lima, L., Ferraz Teston, E., dos Santos Benedetti, G. M., Ramos Costa, M. A., & Rodrigues Mendonça, R. (2018). Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem atuantes em setores críticos. Revista Cuidarte, 9(2), 2177-86. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.506
Sección
Artículos de Investigación