Nível de atividade física em pessoas com diabetes mellitus tipo 2

Flávia Cristiane Kolchraiber, Jusceline de Souza Rocha, Denise Jovê César, Odete de Oliveira Monteiro, Giovana Andrade Frederico, Mônica Antar Gamba

Resumen


Introdução: O estilo de vida tem se destacado como importante causa para as principais doenças crônicas, como o diabetes mellitus tipo 2, por causar alterações fisiológicas crônicas que tendem a se agravar à medida que o indivíduo envelhece. Comparou-se o nível de atividade física realizada por pessoas com diabetes mellitus tipo 2 na atenção básica e unidade especializada. Materiais e Métodos: Estudo descritivo, de corte transversal, com análise comparativa. Aplicaram-se questionários semiestruturado e o validado Internacional de Atividade Física, submetidos e comparados por análise estatística com os testes do Qui-quadrado de Pearson e t student. Resultados: A idade média dos usuários foi 59 anos, predominância sexo feminino e não praticantes de atividade física. Valores glicêmicos obtidos pelo exame da hemoglobina glicada foram, 8,1% em centro de referência e 9,6% em unidade básica de saúde (p=0,017), diferenciais de controle metabólico e distintas realidades de atendimento. Discussão: O nível de atividade física aliado a mudanças no estilo de vida e adesão terapêutica, é parte fundamental para o controle do diabetes e prevenção de complicações, devendo ser encorajadas pelos profissionais da saúde. Conclusoes: Melhor desempenho no nível de atividade física e melhor controle glicêmico de pessoas acompanhadas em centro especializado. Deve-se considerar ações de educação à saúde na perspectiva do cuidado integral na Rede de Atenção à Saúde, independente do tipo de serviço, como potencializadoras para o automonitoramento e controle do diabetes mellitus.

Como citar este artigo: Kolchraiber FC, Rocha JS, César DJ, Monteiro OO, Frederico GA, Gamba MA. Nível de atividade física em pessoas com diabetes mellitus tipo 2. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2105-16. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.512


Palabras clave


Diabetes Mellitus; Atividade Motora; Enfermagem em Saúde Comunitária.

Referencias


American Diabetes Association. Standards of medical care in diabetes. Diabetes Care. 2017; 40 Suppl 1: S5-S17.

Church T. Exercise in obesity, metabolic syndrome, and diabetes. Prog Cardiovasc Dis. 2011; 53(6): 412-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.pcad.2011.03.013

Umpierre D, Ribeiro PA, Kramer CK, Leitão CB, Zucatti AT, Azevedo MJ, et al. Physical activity advice only or structured exercise training and association with HbA1c levels in type 2 diabetes: a systematic review and meta-analysis. JAMA. 2011; 305(17): 1790-9. http://dx.doi.org/10.1001/jama.2011.576

Sánchez RT, Molina EM, Gómez-Ortega OR. Intervenciones de enfermería para disminuir la sobrecarga en cuidadores: un estudio piloto. Rev Cuid. 2016; 7(1): 1171-84. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i1.251

Diabetes Atlas Seventh Edition. International Diabetes Federation (IDF). Bruselas, Bélgica; 2015.

Faria HTG, Rodrigues FF, Zanetti ML, Araújo MFM, Damasceno MMC. Fatores associados à adesão ao tratamento de pacientes com diabetes mellitus. Acta Paul Enferm. 2013; 26(3): 231. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000300005

Cunha M, Chibante R, André S. Suporte social, empowerment e doença crónica. R. Port. Enferm. Saúde Mental. 2014; 1 (n.o esp.): 21- 6.

Leite ES, Lubenow JAM, Moreira MRC, Martins MM, Costa IP, Silva AO. Cienc Cuid Saude. 2015; 14(1): 822 - 9. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i1.21353

Arteaga A, Cogollo R, Muñoz D. Apoyo social y control metabólico en la diabetes mellitus tipo 2. Rev Cuid. 2017; 8(2): 1668-76. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.405

Pasqualotto KR, Alberton D, Frigeri HR. Diabetes mellitus e Complicações. J. Biotec. Biodivers. 2012; 3(4).

Batista F, Magalhães AA, Gamba M, Nery C, Cardoso C. Ten years of a multidisciplinary diabetic foot team approach in Sao Paulo, Brazil. Diabet Foot & Ankle. 2010; 1: 3. http://dx.doi.org/10.3402/dfa.v1i0.5203

Thomaz PMD, Costa THM, Silva E, Hallal PC. Fatores associados à atividade física em adultos. Rev. Saúde Pública. 2010; 44(5): 894-900. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000027

Ramalho JR, Lopes ACS, Toledo MTT, Peixoto SV. Physical activity levels and factors associated with the sedentary lifestyle of users of a basic health unit in Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev Min Enferm., 2014; 18(2). http://dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140032

Pardini R. Validação do questionário internacional de nível deatividade física (IPAQ - versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Rev. Bras. Ciên. e Mov. 2001; 9(3): 45-51.

The PLOS Medicine Editors. Observational Studies: Getting Clear about Transparency. PLOS Medicine. 2014. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1001711

Jurakić D, Pedišić Ž, Andrijašević M. Physical Activity of Croatian Population: Cross-sectional Study Using International Physical Activity Questionnaire. Croat Med J. 2009; 50 (2):165-73. http://dx.doi.org/10.3325/cmj.2009.50.165

Magalhães MN, Lima ACP. Noções de Probabilidade e Estatística. São Paulo: EDUSP; 2005.

Goulart FAA. Doenças Crônicas Não Transmissíveis: Estratégias de controle e desafios para os sistemas de saúde. Brasília. 2011. 34 p.

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. n. 35. Brasília; 2013.

Ministério da Saúde, Brasil. Portaria no 4279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 2010 dez.

Sousa N, Rehem T, Santos W Silva, Santos C. Internações sensíveis à atenção primária à saúde em hospital regional do Distrito Federal. Rev. Bras. Enferm., 2016; 69(1): 118-25. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690116i

Borba AK, Marques AP, Ramos VP, Leal MC, Arruda Ilma KG, Ramos RS. Fatores associados à adesão terapêutica em idosos diabéticos assistidos na atenção primária de saúde. Ciênc. Saúde Coletiva. 2018; 23(3): 953-61. https://doi.org/10.1590/1413-81232018233.03722016

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde; Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica, Diabetes Mellitus. n. 36. Brasília; 2013.

Oliveira PS, Bezerra EP, Andrade LL, Gomes PLF, Soares MJGO, Costa MML. Practice nurse family health strategy in the prevention of diabetic foot. J. res.: fundam. care. online. 2016; 8(3): 4841-9. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i3.4841-4849

Sociedade Brasileira de Diabetes, Brasil. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016). São Paulo; 2016.

Figueiredo WS, Schraiber LB. Male users' and primary care services health professionals' conceptions of gender and possible impacts on men's health, São Paulo, Brazil. Ciênc. Saúde Coletiva. 2011; 16 Suppl 1: 935-44. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000700025

Souza J, Baptista MH, Gomides D, Pace AE. Adherence to diabetes mellitus care at three levels of health care. Esc. Anna Nery. 2017; 21(4):1-9. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0045

Ferreira SRG. Atividade física no Diabetes tipo 1 e 2: Bases fisiopatológicas, importância e orientação. Tratamento do Diabetes: Abordagens Educacionais e de Alterações no Estilo de Vida. Em: e-book 2.0. Sociedade Brasileira de Diabetes Diabetes na prática clínica. Módulo 3 Cap 8. Brasília, Brasil; 2015. Módulo 3 - Capítulo 8.

Gonçalves HR, Gonçalves LA, Costa TA, Goulart MI. Associação entre IMC e Atividade Física em Adultos de Diferentes Níveis Socioeconômicos. Rev. Saúde e Pesquisa. 2011; 4(2): 161-8.

Interial MG, Campillo C, Aguilar I. Análisis comparativo del programa de educación en diabetes mellitus de México y Cuba. Rev Cuid. 2013; 4(1): 516-22. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v4i1.12

Codogno JS, Fernandes RA, Sarti MF, Freitas FI, Monteiro H. The burden of physical activity on type 2 diabetes public healthcare expenditures among adults: a retrospective study. BMC Public Health. 2011; 11(275): 1-7. https://doi.org/10.1186/1471-2458-11-275


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.