Perfil sociodemográfico e epidemiológico de uma comunidade quilombola na Amazônia Brasileira

Igor Almeida de Freitas, Ivaneide Leal Ataide Rodrigues, Ingrid Fabiane Santos da Silva, Laura Maria Vidal Nogueira

Resumen


Introdução: As comunidades quilombolas são definidas pela particularidade quanto à trajetória histórica e a presunção de ancestralidade negra ligada à resistência, à violência, perseguição e dominação histórica sofrida. O objetivo deste estudo foi traçar o perfil sociodemográfico e epidemiológico de uma comunidade quilombola e identificar aspectos socioeconômicos capazes de repercutir na sua condição de saúde. Materiais e Métodos: Estudo transversal realizado em comunidade quilombola situada na área metropolitana de Belém, Pará, Brasil. Amostra composta por 130 adultos que responderam a questionário com 45 perguntas fechadas, referentes a aspectos socioeconômicos, culturais, saúde, alimentação e estilo de vida. Resultados: Predominou o sexo feminino, baixa escolaridade e renda familiar de até 1 salário mínimo. Residências em alvenaria, mas sem saneamento básico na comunidade levando a hábitos prejudiciais à saúde, quanto ao uso da água e destino dos dejetos. Predominam uso de fumo, álcool e sedentarismo, associado aos hábitos alimentares pouco saudáveis. Discussão: Os dados sobre a saúde, alimentação, cultura e estilo de vida mostraram-se importantes no processo saúde e doença das famílias quilombolas. Conclusões: Caracterizou-se a comunidade quilombola quanto à condição sociodemográfica e epidemiológica, identificando aspectos socioeconômicos que repercutem na sua condição de saúde. Salienta-se que os problemas identificados podem contribuir para que ações de saúde sejam planejadas e efetivadas conforme a realidade, considerando-se o contexto social, político e ambiental da comunidade, valorizando seus saberes e práticas tradicionais.

Como citar este artigo: Freitas IA, Rodrigues ILA, Silva IFS, Nogueira LMV. Perfil sociodemográfico e epidemiológico de uma comunidade quilombola na Amazônia Brasileira. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2187-200. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.521


Palabras clave


Grupo com Ancestrais do Continente Africano; Populações Vulneráveis; Perfil de Saúde.

Referencias


Vieira ABD, Monteiro PS. Comunidade quilombola: análise do problema persistente do acesso à saúde, sob o enfoque da bioética de intervenção. Saúde em Debate. 2013; 37(99): 610-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000400008

Oliveira SKM, Pereira MM, Guimarães ALS, Caldeira AP. Self-perceived health among ‘quilombolas’ in northern Minas Gerais, Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(9): 2879-90. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.20342014

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa; Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. 2013 [citado 2017 maio. 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_populacoes_campo.pdf

Brasil. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; Secretaria de Políticas Para Comunidades Tradicionais. Guia de políticas públicas para comunidades quilombolas [Internet]. Brasília. 2013 [citado 2017 maio. 18]. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/arquivos-pdf/guia-pbq

Pinho L, Dias RL, Cruz LM, Velloso NA. Health conditions of quilombola community in the north of Minas Gerais. J. res.: fundam. care. Online. 2015; 7(1): 1847-55. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i1.1847-1855

Bezerra VM, Andrade ACS, César CC, Caiaffa WT. Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: hipertensão arterial e fatores associados. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(9): 1889-902. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00164912

Von Elm E, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP. Strengthening the reporting of observational studies in epidemiology (STROBE) statement: guidelines for reporting observational studies. Lancet. 2007; 370: 1453-57. http://dx.doi.org/:10.1016/S0140-6736(07)61602-X

Rocha IR, Carmo MS. Perfil epidemiológico de ribeirinhos da Ilha do Combú: um reflexo da saúde nas águas. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Belém: Universidade do Estado do Pará; 2014.

Gomes KO, Reis EA, Guimarães MDC, Cherchiglia ML. Utilização de serviços de saúde por população quilombola do Sudoeste da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(9): 1829-42. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00151412

Bezerra VM, Andrade ACS, César CC, Caiaffa WT. Domínios de atividade física em comunidades quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil: estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública. 2015; 31(6): 1213-24. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00056414

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios. Resultados do universo. Rio de Janeiro, 2011.

Santos RC, Silva MS. Condições de vida e itinerários terapêuticos de quilombolas de Goiás. Saúde Soc. 2014; 23(3): 1049-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300025

Bezerra VM, Medeiros DS, Gomes KO, Souzas R, Giatti L, Steffens AP, et al. Inquérito de saúde em comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto COMQUISTA): aspectos metodológicos e análise descritiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(6): 1835-47. https://doi.org/10.1590/1413-81232014196.01992013

Ferreira FS, Queiroz TM, Silva TV, Andrade ACO. À margem do rio e da sociedade: a qualidade da água em uma comunidade quilombola no estado de Mato Grosso. Saúde Soc. 2017; 26(3): 822-8. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902017166542

Amorim MM, Tomazi L, Silva RAA, Gestinari RS, Figueiredo TB. Avaliação das condições habitacionais e de saúde da comunidade quilombola Boqueirão, Bahia, Brasil. Biosci. J. 2013; 29(4): 1049-57.

Campos CMS, Silva BRB, Forlin DC, Trapé CA, Lopes IO. Emancipatory practices of nurses in primary health care: the home visit as an instrument of health needs assessment. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(Esp): 116-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420140000600017

Pereira LL, Silva HP, Santos LMP. Projeto mais médicos para o Brasil: estudo de caso em comunidades quilombolas. Revista da ABPN. 2015; 7(16): 28-51.

Medeiros DS, Moura CS, Guimarães MDC, Acurcio FA. Medication use by the “quilombola” population: a survey in Southwestern Bahia, Brazil. Rev Saúde Pública. 2013; 47(5): 905-13. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004817

Melo MFT, Silva HP. Doenças crônicas e os determinantes da saúde em comunidades quilombolas do Pará, Amazônia, Brasil. Revista da ABPN. 2015; 7(16): 168-89.

Barroso SM, Melo APS, Guimarães MDC. Depressão em comunidades quilombolas no Brasil: triagem e fatores associados. Rev Panam Salud Publica. 2014; 35(4): 256-63.

Pereira MGS, Ferreira MC. Uso e diversidade de plantas medicinais em uma comunidade quilombola na Amazônia Oriental, Abaetetuba, Pará. Biota Amazônia. 2017; 7(3): 57-68. http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v7n3p57-68

Ferreira ALS, Batista CAS, Pasa MC. Uso de plantas medicinais na comunidade quilombola mata cavalo em nossa senhora do livramento – MT, Brasil. Biodiversidade. 2015; 14(1): 151-60.

Costa IE, Oliveira LL. O uso de plantas medicinais na comunidade quilombola de Paratibe: um relato de experiência na E.M.E.F. Antônia do Socorro Silva Machado, João Pessoa – PB. Revista Humanidades e Inovação. 2017; 4(3): 288-96.

Soares DA, Barreto SM. Indicadores nutricionais combinados e fatores associados em população Quilombola no Sudoeste da Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20(3): 821-32. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015203.03922014

Damazio SM, Lima MS, Soares AR, Souza MAA. Intestinal parasites in a quilombola community of the northern state of Espírito Santo, Brazil. Rev. Inst. Med. Trop. 2013; 55(3): 179-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652013000300007

Cardoso LGV, Melo APS, Cesar CC. Prevalência do consumo moderado e excessivo de álcool e fatores associados entre residentes de Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20(3): 809-20. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015203.12702014

Silva RA, Menezes JA. Reflexões sobre o uso de álcool entre jovens quilombolas. Psicologia & Sociedade. 2016; 28(1): 84-93. http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v28n1p084

Mussi RFF, Mussi LMPT, Bahia CSA, Amorim AM. Atividades físicas praticadas no tempo livre em comunidade quilombola do alto sertão baiano. Licere. 2015; 18(1): 157-87.

Annes LM, Mendonça HG, Lima FM, Lima MA, Aquino JM. Perfil sociodemográfico e de saúde de idosas que participam de grupos de terceira idade em Recife, Pernambuco. Rev Cuid. 2017; 8(1): 1499-508. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i1.365


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.