Perfil de saúde de idosos muito velhos em vulnerabilidade social na comunidade

Resumen

Introdução: O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial que envolve várias condições de saúde na sociedade, somando mudanças econômicas, sociais, culturais, demográficas do resultado declínio na taxa de fertilidade e do aumento da longevidade. Objetivo: analisar o perfil de saúde dos idosos muito velhos residentes no município de Aracaju-SE, inseridos em seu contexto social. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de coorte transversal, com abordagem quantitativa, realizado com 601 idosos muito velhos de Aracaju-SE, com aplicação do instrumento de Exame de Estado Mental (MEEM); e e outo com dados gerais, contendo aspectos socioeconómicos e clínicos. Resultados: 77(12,8%)  não atingiram o ponto de corte do MEEM, 369 (70,5%) sexo femenino e 155 (29,5%) do masculino; 217 (41,4%) escolaridade incompleta; 359 (68,6) era hipertensos, 143 (27,3%) hipercoleristemicos; 122 (23,3%) diabéticos; 175 (33,5%) possuíam artrose. Discussão e Conclusões: Evidenciou-se que os idosos estão mais vulneráveis a exposição de patologias crônicas como HAS, DM, Hipercolesterolemia, artrose e a situações críticas presentes no cotiando de suas atividades de vida diária, como quedas e autopercepção da saúde, sendo necessário atenção ao perfil de saúde dos idosos muito velhos.

Como citar este artigo: Santos VP, Lima WR, Rosa RS, Barros IMC, Boery RNSO, Ciosak SI. Perfil de saúde de idosos muito velhos em vulnerabilidade social na comunidade. Rev Cuid. 2018; 9(3): 2322-37. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i3.542

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Vanei Pimentel Santos, Universidade Federal de Sergipe/UFS. Aracaju (SE), Brasil.
Enfermeiro, Pós-graduado em Saúde do Adulto e do Idoso, Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Universidade Federal de Sergipe/UFS. Aracaju (SE), Brasil. Autor para correspondência.
Wilma Resende Lima, Universidade Federal de Sergipe/UFS. Aracaju (SE), Brasil.
Enfermeira, Professora Doutora, Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto e Idoso, Universidade Federal de Sergipe/UFS. Aracaju (SE), Brasil. 
Randson Souza Rosa, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/PPGES/UESB. Jequié (BA), Brasil.
Enfermeiro, Mestre em Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/PPGES/UESB. Jequié (BA), Brasil. 
Izadora Menezes da Cunha Barros, Unidade de Farmácia Clínica do Hospital Universitário de Sergipe /HUSE/UFS. Aracaju (SE), Brasil.
Farmacêutica, Doutora em Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Chefe da Unidade de Farmácia Clínica do Hospital Universitário de Sergipe /HUSE/UFS. Aracaju (SE), Brasil. 
Rita Narriman Silva de Oliveira Boery, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/PPGES/UESB. Jequié (BA), Brasil.
Enfermeira, Doutora em Enfermagem. Docente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia/PPGES/UESB. Jequié (BA), Brasil. 
Suely Itsuko Ciosak, Universidade de São Paulo. São Paulo (SP), Brasil.
Enfermeira. Livre-Docente. Professora Associada do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo (SP), Brasil. 

Referencias

Lima-Costa MF. Estudo de Coorte de Idosos de Bambuí (1997-2008). Cad Saúde Pública. 2011; 324-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011001500001

Schneider RH, Irigaray TQ. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia I Campinas I. [Internet] 2008. 25(4): 585-93.

Brito MCC, Freitas CASL, Mesquita KO, Lima GK. Envelhecimento populacional e os desafios para a saúde pública: análise da produção científica. Revista Kairós Gerontologia. 2013; 16(3): 161-78.

Janney CA, Cauley JA, Cawthon PM, Kriska AM. Longitudinal Physical Activity Changes in Older Men in the Osteoporotic Fractures in Men Study. Journal American Geriatrics Society. 2010, 58(6): 1128-33.

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009. 43(3): 548-54. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000025

Rosset I, Pedrazzi EC, Roriz-Cruz M, Morais EP, Rodrigues RAP. Tendências dos estudos com idosos mais velhos na comunidade: uma revisão sistemática (inter) nacional. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(1): 264-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000100037

Carvalho JAM, Rodriguez-Wong LL. A transição da estrutura etária da população brasileira na primeira metade do século XXI. Cad Saúde Pública. 2008; 24(3): 597-605. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000300013

Moraes, EN. Princípios básicos de geriatria e gerontologia. Belo Horizonte: Belo Horizonte: Coopemed; 2008. 700 p.

Goncalves LHT, Polaro SHI, Carvalho JN, Góes TM, Medeiros HP, Souza FJD. Condições de vida e saúde de idosos Amazônidas: realidade de comunidades periféricas de cidades paraenses. Rev enferm UFPE. 2015; 9(1): 39-46. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v9i1a10304p39-46-2015

Lima JC, Pedrosa JM, Floriano LA, Miguéis GS, Azevedo RCS. Perfil de saúde de idosos em unidades de saúde da família num município de Mato Grosso. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2014; 5(5): 3132-46. http://dx.doi.org/10.18673/gs.v5i5.13783

Lucca MG, Recchia A, Logroscino G, Tiraboschi P, Franceschi M, Bertinotti C, et al. A Population-based study of dementia in the oldest old: the Monzino 80-plus Study. BMC Neurology. 2011, 11: 54. https://doi.org/10.1186/1471-2377-11-54

Pereira GN, Bastos GAN, Del Duca GFB, Gonçalves AJ. Indicadores demográficos e socioeconômicos associados à incapacidade funcional em idosos. Cad Saúde Pública. 2012; 28(11): 2035-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012001100003

Machado JC, Ribeiro RCL, Cotta RMM, Leal PFG. Declínio cognitivo de idosos e sua associação com fatores epidemiológicos em Viçosa, Minas Gerais. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011; 14(1): 109-21. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232011000100012

Virtuoso JF, Mazo GZ, Menezes EC, Cardoso AS, Dias RG, Balbé GP. Perfil de morbidade referida e padrão de acesso a serviços de saúde por idosos praticantes de atividade física. Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 17(1): 23-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000100005

Maciel ACC, Guerra RO. Influence of biopsychosocial factorson the functional capacity of the elderly living in Brazil’s Northeast. Rev Bras Epidemiologia. 2007; 10(2): 178-89. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2007000200006

Polaro SHI, Gonçalves LHT, Franhani CS, Feitosa ES. Condições de vida e saúde de idosos residentes em áreas Ribeirinhas. Rev enferm UFPE. 2013; 7(9): 5510-7.

Ministério da Saúde (BR). Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa: Manual de preenchimento. Brasília: Ed. Ministério da Saúde. 2008.

Cruz DT, Ribeiro LC, Vieira MT, Teixeira MTB, Bastos RR, Leite ICG. Prevalência de quedas e fatores associados em idosos. Rev Saúde Pública. 2012; 46(1): 138-46. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000087

Celich DKLS, Souza SMS, Zenevicz L, Orso ZA. Fatores que predispõem às quedas em idosos. RBCEH. 2010, 7(3): 419-26. https://doi.org/10.5335/rbceh.2012.776

Gasparott LPR, Falsarella GRF, Coimbra AMV. As quedas no cenário da velhice: conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde. Rev. Bras Geriatr Gerontol. 2014; 17(1): 201-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232014000100019

Marques AP, Montilla DLR, Almeida WS, Andrade CLT. Internação de idosos por condições sensíveis à atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública. 2014; 48 (5): 817-26. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005133

Pilger C, Menon MU, Mathias TAF. Utilização de serviços de saúde por idosos vivendo na comunidade. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(1): 213-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000100027

Martins AMEB, Haikal DS, Pereira SM, Barreto AJD. Uso regular de serviços odontológicos por rotina entre idosos brasileiros: Projeto SB Brasil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(7): 1651-66. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000700020

Souza EHA, Oliveira PAP, Paegle AC, Goes PSA. Raça e o uso dos serviços de saúde bucal por idosos. Ciência e Saúde Coletiva. 2012, 17(8): 2063-70. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000800017

Silva AL, Ribeiro AQ, Klein CH, Acurcio FA. Utilização de medicamentos por idosos brasileiros, de acordo com a faixa etária: um inquérito postal. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(6): 1033-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000600003

Criscuolo C, Monteiro MI, Telarolli RJ. Educação nutricional com idosos. Alim. Nutr. 2012; 23(3): 399-405.

Araújo LF, Coelho CG, de Mendonça ET, Vaz AVM, Siqueira-Batista R, Cotta RMM. Evidências da contribuição dos programas de assistência ao idoso na promoção do envelhecimento saudável no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2011: 30(1): 806. https://doi.org/10.1590/S1020-49892011000700012

Costa Neto AM, Azevedo GAV, Santos AG. Hábitos de vida e o desempenho de idosos nas atividades básicas da vida diária. Rev enferm UFPE. 2013; 7(7): 4663-9. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v7i7a11716p4663-4669-2013

Sousa FJD, Andrade FS. Perfil de los adultos mayores usuarios de atención primaria. Rev Cuid. 2017; 8(2): 1573-81. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.376

Publicado
2018-09-05
Cómo citar
1.
Pimentel Santos V, Resende Lima W, Souza Rosa R, Menezes da Cunha Barros I, Silva de Oliveira Boery RN, Itsuko Ciosak S. Perfil de saúde de idosos muito velhos em vulnerabilidade social na comunidade. Rev Cuid [Internet]. 5 de septiembre de 2018 [citado 13 de diciembre de 2019];9(3):2322-37. Disponible en: https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/542
Sección
Artículos de Investigación