Redes de atenção à saúde na formação em enfermagem: interpretações a partir da atenção primária à saúde

Resumen

Introdução: As Redes de Atenção à Saúde são arranjos de ações e serviços de saúde que objetivam o atendimento integral e qualificado no Sistema Único de Saúde do Brasil. As redes configuram um modelo organizacional em crescente construção no contexto brasileiro, o que exige dos profissionais de enfermagem e da saúde, principalmente na atenção primária, conhecimento acerca de suas particularidades de operacionalização. Neste sentido, objetivou-se identificar como o modelo de atenção proposto pelas redes de atenção tem orientado a formação em enfermagem.  Materiais e Métodos: Estudo qualitativo, descritivo e exploratório. Participaram da investigação 15 estudantes e 15 professoras de cursos de enfermagem de duas universidades públicas, as quais responderam a uma entrevista semiestruturada. Os dados foram interpretados a partir da análise temática. Resultados: Identificou-se como ocorre a abordagem do tema na formação em enfermagem, principais metodologias utilizadas e períodos nos quais é abordado. Discussão: As redes são discutidas na formação em enfermagem, contudo, a abordagem possui algumas fragilidades que podem e devem ser superadas, com vistas à qualificação dos processos formativos e, consequentemente, para a ampliação das ações da atenção primária e do acesso à saúde. Evidencia-se a necessidade de dialogar sobre a transversalidade de temas emergentes e relevantes no itinerário formativo em saúde, sobretudo na enfermagem, mediante movimentos de integração ensino-serviço e metodologias mais problematizadoras. Conclusões: Há abordagem sobre a temática das redes na formação, contudo, de modo frágil e superficial. Julga-se necessário a existência de discussões com maior aprofundamento acerca do tema. 

Como citar este artigo: Maffissoni AL, Vendruscolo C, Trindade ll, Zocche AA. Redes de atenção à saúde na formação em enfermagem: interpretações a partir da atenção primária à saúde. Rev Cuid. 2018; 9(3): 2309-21. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i3.549

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

André Lucas Maffissoni, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Brasil.
Mestrando em Enfermagem. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Brasil.
Carine Vendruscolo, Universidade do Estado de Santa Catarina. Chapecó, Brasil.
Doutora em Enfermagem. Universidade do Estado de Santa Catarina. Chapecó, Brasil. 
Letícia de Lima Trindade, Universidade do Estado de Santa Catarina. Chapecó, Brasil.
Doutora em Enfermagem. Universidade do Estado de Santa Catarina. Chapecó, Brasil. 
Denise Antunes de Azambuja Zocche, Universidade do Estado de Santa Catarina. Chapecó, Brasil.
Doutora em Enfermagem. Universidade do Estado de Santa Catarina. Chapecó, Brasil. 

Citas

Santos DS, Mishima SM, Merhy EE. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: potencialidades da subjetividade do cuidado para reconfiguração do modelo de atenção. Ciênc saúde coletiva. 2018; 23(3): 861-70. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018233.03102016

Tesser CD. Núcleos de Apoio à Saúde da Família, seus potenciais e entraves: uma interpretação a partir da atenção primária à saúde. Interface (Botucatu). 2016; 21(62): 565-78. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0939

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde. 2011. 554 p.

Silva SF. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do Sistema Único de Saúde (Brasil). Ciên Saúde Coletiva. 2010; 16(6): 2753-62. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000600014

Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 - Brasil. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 set. 1990.

Santos L. Região de saúde e suas redes de atenção: modelo organizativo-sistêmico do SUS. Ciênc saúde coletiva. 2017; 22(4): 1281-9. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017224.26392016

Maffissoni AL, Vendruscolo C, Metelski FK. Redes de Atenção à Saúde: Movimentos do Ensino e Serviço Rumo à Efetivação do Modelo Assistencial. Ensaios e Ciência. 2017; 21(2): 110-6. http://dx.doi.org/10.17921/1415-6938.2017v21n2p110-116

Bardin L. Análise de conteúdo. Edição revista e ampliada. São Paulo: Edições 70, 2011. 279 p.

Vendruscolo C, Ferraz F, Prado ML, Kleba ME, Reibnitz KS. Integração ensino-serviço e sua interface no contexto da reorientação da formação na saúde. Interface (Botucatu). 2016; 20(59): 1015-25. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0768

Maffissoni AL, Vendruscolo C, Trindade LL. Redes de atenção à saúde no ver-sus oeste catarinense: contribuições para o ensino em enfermagem. Rev Enferm UFSM. 2017; 7(2): 167-78. http://dx.doi.org/10.5902/2179769225853

Vendruscolo C, Prado ML, Kleba ME. Formação de recursos humanos em saúde no Brasil: Uma revisão integrativa. Educ Rev. 2014; 30(1): 215-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982014000100009

Barlem JGT, Lunardi VL, Barlem ELD, Bordignon SS, Zacarias CC, Lunardi Filho WD. Fragilidades, fortalezas e desafios na formação do enfermeiro. Esc Anna Nery. 2012; 16(2): 347-53. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000200020

Kloh D, Reibnitz KS, Boehs AE, Wosny AM, Lima MM. Princípio da integralidade do cuidado nos projetos político-pedagógicos dos cursos de Enfermagem. Rev Latinoam Enfermagem. 2014; 22(4): 693-700. http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.3381.2469

Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saude Soc. 2014; 23(3): 869-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300011

Lopes RE, Silva AC, Nóbrega-Therrien SM. Formação reflexiva no ensino da enfermagem: discussão à luz de Schön. Cad Pesqui. 2015; 22(1): 27-58. http://dx.doi.org/10.18764/2178-2229.v22.n1.p.47-58

Oliveira ES. Motivação no ensino superior: estratégias e desafios. Contexto e Educação. 2017; 32(101): 212-32. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2017.101.212-232

Gil AC. Didática do ensino superior. São Paulo: Atlas, 2006. 286 p.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. 64. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2017. 255 p.

Jones P. Exploring the relationship of threshold concepts and Hodges’ model of care from the individual to populations and global health. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1697-720. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.464

Souza CS, Iglesias AG, Pazin-Filho A. Estratégias inovadoras para métodos de ensino tradicionais - aspectos gerais. Medicina (Ribeirão Preto). 2014; 47(3): 284-92. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v47i3p284-292

Valderrama ML, Peña AP, Clavijo LM. Narrativa: el estudiante de enfermería aprendiendo el arte de cuidar. Rev Cuid. 2017; 8(1): 1488-98. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i1.362

Farah BF, Dutra HS, Sanhudo NF, Costa LM. Percepção de enfermeiros supervisores sobre liderança na atenção primária. Rev Cuid. 2017; 8(2): 1638-55. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.398

Publicado
2018-09-05
Cómo citar
1.
Maffissoni AL, Vendruscolo C, de Lima Trindade L, Antunes de Azambuja Zocche D. Redes de atenção à saúde na formação em enfermagem: interpretações a partir da atenção primária à saúde. Rev Cuid [Internet]. 5 de septiembre de 2018 [citado 29 de septiembre de 2020];9(3):2309-21. Disponible en: https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/549
Sección
Artículos de Investigación