Câncer infantojuvenil do âmbito familiar: percepções e experiências frente ao diagnóstico

Daniela Paola Santos de Paula, Gabriely Rita Carvalho da Silva, João Marcus Oliveira Andrade, Alanna Fernandes Paraiso

Resumen


Introdução: O diagnóstico de câncer infantojuvenil pode afetar o relacionamento e a dinâmica familiar, além de desencadear sofrimentos e medos, causados pela apreensão de sua descoberta, tratamento e controle. Assim, este estudo objetiva compreender o enfrentamento das famílias diante do diagnóstico de câncer infantojuvenil. Materiais e Métodos: Constituiu-se de estudo descritivo, transversal e de abordagem qualitativa, realizado no Centro de Alta Complexidade em Oncologia Irmã Malvina de Montes Claros-MG. Para a concepção da pesquisa, foi realizada uma entrevista semiestruturada a 27 cuidadores familiares de crianças e adolescentes portadores de câncer, que atenderam aos critérios de inclusão. Em seguida, os dados foram tabulados e analisados pela técnica análise de conteúdo. O estudo foi autorizado pelo Comitê de Ética em Pesquisa sob o parecer 2.536.184/2018. Resultados: Após a análise dos dados, foi possível traçar um perfil socioeconômico do familiar e epidemiológico da criança doente. Quanto aos familiares, na maioria, eram de sexo feminino, com parentesco de 1° grau com a criança doente, e dedicavam seu tempo a atividades direcionadas ao cuidado com o filho. No tocante à epidemiologia dos casos, cerca de 55% representavam a Leucemia Linfoblástica Aguda. Discussão: Os resultados encontrados foram agrupados em três categorias que abordam o impacto inicial do diagnóstico, o conhecimento como forma de alívio e as estratégias de enfrentamento. Conclusões: Observou-se que o diagnóstico de câncer infantojuvenil tem grande impacto na dinâmica familiar e gera nessas famílias sentimentos dolorosos e desesperadores que desencadeiam a busca por alternativas de enfrentamento para se adaptarem a essa nova realidade.

Como citar este artigo: Paula DPS, Silva GRC, Andrade JMO, Paraiso AF. Câncer infantojuvenil do âmbito familiar: percepções e experiências frente ao diagnóstico. Rev Cuid. 2019; 10(1): e570. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.570


Palabras clave


Neoplasias; Adaptação Psicológica; Criança; Adolescente; Família.

Referencias


INCA. Instituto Nacional de Câncer. Câncer da criança e adolescente no Brasil: dados dos registros de base populacional e de mortalidade. Rio de Janeiro.2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cancer_crianca_adolescente_brasil.pdf

McGuire S. World Cancer Report. 2014. Geneva, Switzerland: World Health Organization, International Agency for Research on Cancer, WHO Press, 2015. Adv Nutr. 2016; 7(2): 418-9. https://doi.org/10.3945/an.116.012211

Turolla KR, Souza MC. Enfermagem Pediátrica Oncológica: Assistência na Fase de Terminalidade. Ens. e Ciênc. C. Biol. Agr. Saúd. 2015; 19(1): 26-37.

INCA. Incidência, mortalidade e morbidade hospitalar por câncer em crianças, adolescentes e adultos jovens no Brasil: informações dos registros de câncer e do sistema de mortalidade. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, 2016. Disponivel em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/incidencia-mortalidade-morbidade-hospitalar-por-cancer.pdf

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Diagnóstico precoce do câncer na criança e no adolescente / Instituto Nacional de Câncer, Instituto Ronald Mc Donald. – 2. ed. rev. ampl. – Rio de Janeiro: Inca, 2011. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/comunicacao/diagnostico_precoce_crianca_adolescente_2011.pdf

Anjos C, Santo FHE, Carvalho EMMS. O câncer infantil no âmbito familiar: revisão integrativa. Rev. Min Enf. 2015; 19(1): 227-40. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20150018

Aragão J. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Rev. Práxis. 2013; 3(6): 59-62. https://doi.org/10.25119/praxis-3-6-566

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Intern Journ Quali Health Care. 2007; 19(6): 349-57. https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Lima KCR. Câncer na adolescência: estratégias de enfrentamento de pais e pacientes e impactos na rotina de vida. 2012. 39 f. Monografia (Psicologia) - Universidade Católica de Brasília. Brasília, 2012.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúd Pub. 2008; 24(1): 17-27. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. Saúd Col. 2012; 17(3): 621-6. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000300007

Colli MNFA, Santos MA. Aspectos psicológicos da recidiva em Oncologia Pediátrica: uma revisão integrativa. Arq. Bras. Psicol. 2016; 67(3): 75-93.

Beck ARM, Lopes MHBM. Cuidadores de crianças com câncer: aspectos da vida afetados pela atividade de cuidador. Rev. Bras. Enf.2007; 60(6): 670-675. https://doi.org/10.1590/S0034-71672007000600010

Guimarães CA, Enumo SRF. Impacto familiar nas diferentes fases da leucemia infantil. Psicol. Teor. Prática. 2015; 17(3): 66-78. https://doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v17n3p66-78

Brum MV, de Aquino GB. Estudo do impacto do tratamento do câncer infantil nos aspectos emocionais dos cuidadores de crianças com diagnóstico da doença. Rev. Cient. Faminas. 2014; 10(2): 98-117.

Amador DD, Gomes IP, Reichert APS, Collet N. Repercussões do câncer infantil para o cuidador familiar: revisão integrativa. Rev. Bras. De Enf. 2013; 66 (2): 267-70.

Angelo M. Moreira PL, Rodrigues LMA. Incertezas diante do câncer infantil: compreendendo as necessidades da mãe. Esc. Ann. Nery, 2010; 14(2): 301-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000200013

Sales CA, Santos GM, Santos JA, Marcon SS. O impacto do diagnóstico do câncer infantil no ambiente familiar e o cuidado recebido. Rev Eletronica Enferm. 2012; 14(4): 841-9. https://doi.org/10.5216/ree.v14i4.15446.

Puerto Pedraza HM. Soporte social percibido en cuidadores familiares de personas en tratamiento contra el cáncer. Rev Cuid. 2017; 8(1): 1407-22. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v8i1.345

Alves DA, Silva LG, Delmondes GA, Lemos ICS, Kerntopf MR, Albuquerque GA. Cuidador de criança com câncer: religiosidade e espiritualidade como mecanismos de enfrentamento. Rev Cuid. 2017; 7(2): 1318-24. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v7i2.336

Contreras CT, Buitrago-Vera M. Percepción de la calidad del cuidado de enfermería en pacientes oncológicos hospitalizados. Rev Cuid. 2011; 2(1): 138-48. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v2i1.49


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.