Perfil da vítima e características da violência contra a mulher no estado de Rondônia - Brasil

Resumen

Introdução: A violência contra a mulher é um fenômeno grave que atinge os mais variados grupos. O Norte do Brasil é líder nacional em casos de violência contra a mulher, e o estado de Rondônia, é detentor da sétima maior taxa de feminicídio no Brasil. Objetivos: investigar o perfil da vítima e as características da violência contra a mulher no estado de Rondônia no período de 2007 a 2015. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo ecológico, descritivo, de abordagem quantitativa. As informações utilizadas foram processadas na base de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Resultados: De 2007 a 2015 foram notificados 1696 casos de violência contra a mulher no estado de Rondônia, com os maiores índices de prevalência na região de saúde Madeira-Mamoré e Cone Sul. A faixa etária foi a de jovens adultas, dos 19 aos 39 anos, negras/pardas, solteiras e que possuíam o ensino fundamental. As agressões ocorreram em zona urbana, na própria residência da usuária, sendo perpetrada pelo seu parceiro íntimo. A violência física foi vista em 1147 (47,36%) casos notificados, porém, destacou-se também a violência sexual – estupro em 491 (85,99%) mulheres. Sendo que as principais condutas assistenciais tomadas foram a coleta de sangue (26,03%) e as profilaxias contra IST (21,75%) e HIV (21,75%). Discussão e Conclusões: Este estudo demonstrou um elevado número de notificações de violência contra a mulher, tornando-se necessário ampliar os pontos de atenção e fortalecer os já existentes, bem como qualificar os profissionais das diversas áreas de atendimento à mulher em situação de violência.

Como citar este artigo: Oliveira CAB, Alencar LN, Cardena RR, Moreira KFA, Pereira PPS, Fernandes DER. Perfil da vítima e características da violência contra a mulher no estado de Rondônia - Brasil. Rev Cuid. 2019; 10(1): e573. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.573  

Biografía del autor/a

Caio Alves Barbosa de Oliveira, Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho‎, Rondônia, Brasil
Enfermeiro do estado de Rondônia - Brasil. Atua na assistência nas áreas de Unidade de Terapia Intensiva e Clínica Cirúrgica
Lucas Noronha de Alencar, Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho‎, Rondônia, Brasil
Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal de Rondônia
Rebeca Ribeiro Cardena, Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho‎, Rondônia, Brasil.
Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal de Rondônia
Kátia Fernanda Alves Moreira, Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho‎, ‎Rondônia, Brasil
Enfermeira. Doutora em Enfermagem em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (Brasil). Docente do Departamento de Enfermagem da Fundação Universidade Federal de Rondônia.
Priscilla Perez da Silva Pereira, Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho‎, ‎Rondônia, Brasil
Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília (Brasil). Docente do Departamento de Enfermagem da Fundação Universidade Federal de Rondônia.
Daiana Evangelista Rodrigues Fernandes, Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho‎, ‎Rondônia, Brasil
Enfermeira. Doutorado em andamento em Enfermagem pela Universidade Federal de Goiás (Brasil). Docente do Departamento de Enfermagem da Fundação Universidade Federal de Rondônia.

Citas

Cervantes VG, Jornada KJ, Trevisol, FS. Perfil epidemiológico das vítimas de violência notificadas pela 20ª gerência regional de saúde de tubarão, SC. Revista da AMRIGS. 2012; 56(4): 325-29.

Barros CRS, Schraiber LB. Violência por parceiro íntimo no relato de mulheres e de homens usuários de unidades básicas. Rev. Saúde Pública. 2017; 51(7). http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006385

Brasil. Lei nº 10.770, de 24 de Novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados.

Mascarenhas MDM, Malta DC, Silva MMA, Lima CM, Carvalho MGO, Oliveira VLA. Violência contra a criança: revelando o perfil dos atendimentos em serviços de emergência, Brasil, 2006 e 2007. Cad. Saúde Pública. 2010; 26(2): 347-57. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000200013

Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres. Secretaria de política para as mulheres. 1. ed. Brasília, 2011. 46 p.

Alves J, Thomaz AJ. A migração do trabalho para o complexo hidrelétrico madeira. In: XIII Jornada do Trabalho. Anais eletrônicos. São Paulo, 2012.

Acosta Df, Gomes Vlo, Barlem Eld. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Acta Paulista de Enf. 2013; 26(6): 547-53.http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000600007

Moura TC, Paixão GPN, Filho CCS, Carvalho MRS, Oliveira KA, Salgado MA, et al. Violência contra mulher: conhecendo aspectos do perfil das notificações do município de Senhor do Bonfim-Bahia. Ciência & Desenvolv. 2014; 7(1): 156-70.

Rabello PM, Caldas Junior AF. Violência contra a mulher, coesão familiar e drogas. Rev. Saúde Pública. 2007; 41(6): 970-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102007000600012

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Retrato das desigualdades de gênero e raça. 4. ed. Brasília, 2011. 39 p.

Pinto G. Situação das mulheres negras no mercado de trabalho: uma análise dos indicadores sociais. In: XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP. Anais Eletrônicos. Minas Gerais, 2016: 1-16.

D’oliveira AFPL, Schraiber LB, França-Júnior I, Ludemir AB, Portela AP, Diniz CS, et al. Fatores associados à violência por parceiro íntimo. Rev. Saúde Pública. 2009; 43(2): 299-311. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000013

Baptista Rs, Chaves Obbm, França Isx, Sousa Fs, Oliveira Mg, Leite CCS. Violência sexual contra mulheres: a prática de enfermeiros. Rev. Rene. 2015; 16(2): 210-7. http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.2015000200010

Melo AC, Garcia LP. Atendimentos de jovens vítimas de agressões em serviços públicos de urgência e emergência, 2011: diferenças entre sexos. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(4): 1333-41. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017224.10992015

Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Brasília, 2015. 83 p.

Portella AP, Galvão C, Abath M, Júnior JLAR. Análise configuracional de homicídios: Velhas e novas situações de violência letal contra as mulheres em Recife. Dilemas-Revista de Estudos de Conflito e Controle Social. 2017; 4(3): 403-39.

Brasileiro AE, Melo MB. Agressores na Violência Doméstica: Um Estudo do Perfil Sóciojurídico. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito. 2016; 2(2): 189-208. https://10.0.104.44/IndexLawJournals/10.21902/

Brasil. Ministério da Saúde. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 3. ed. Brasília, 2012. 126 p.

Signorelli MC, Auad D, Pereira PPG. Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(6):1230-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000600019

Publicado
2018-12-20
Cómo citar
Alves Barbosa de Oliveira, C., Noronha de Alencar, L., Ribeiro Cardena, R., Alves Moreira, K. F., Perez da Silva Pereira, P., & Evangelista Rodrigues Fernandes, D. (2018). Perfil da vítima e características da violência contra a mulher no estado de Rondônia - Brasil. Revista Cuidarte, 10(1). https://doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.573
Sección
Artículos de Investigación