Gestão do cuidado à pessoa com estomia e a rede de atenção à saúde

Resumen

Introdução: Objetivou-se compreender a gestão do cuidado à pessoa com estomia sob a perspectiva da rede de atenção à saúde (RAS). Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa com referencial metodológico da Teoria Fundamentada nos Dados. Participaram 18 profissionais de saúde e gestores da RAS, em nível municipal e estadual. Foram compostos três grupos amostrais para a coleta de dados, realizada por meio de entrevista semiestruturada. Resultados: A análise resultou em 5 categorias, que integradas compuseram o modelo teórico “Emergindo a gestão do cuidado à pessoa com estomia sob a perspectiva da RAS”: Desvelando a gestão do cuidado à pessoa com estomia; Conhecendo a pessoa com estomia durante o período da graduação e por meio da prática profissional; Realizando o cuidado à pessoa com estomia como parte integrante do processo de trabalho na atenção primária e secundária em saúde; Realizando o cuidado à pessoa com estomia por meio da RAS; e Caracterizando o papel dos pontos de atenção em saúde no cuidado à pessoa com estomia. Discussão: A RAS deve possuir equipes capacitadas no cuidado à pessoa com estomia na atenção primária, e especializadas, na atenção secundária e terciária, que sejam referência. Uma rede se fortalece na diversidade de ações e serviços que a compõem, proporcionando a gestão do cuidado a qualquer condição de saúde, inclusive à pessoa com estomia. Conclusões: O modelo teórico formulado considera que uma RAS fortalecida em termos de diversidade de ações e serviços proporcionará uma melhor gestão do cuidado à pessoa com estomia.

Como citar este artigo: Tramontina PC, Girondi JBR, Erdmann AL, Engel FD, Mello ALSF. Gestão do cuidado à pessoa com estomia e a rede de atenção à saúde. Rev Cuid. 2019; 10(1): e613. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.613

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Greco APC. Assistência a pessoas com estomas: guia prático para profissionais da área da saúde. Salvador: ASCOM – HSR, 2015.

Santos VLCG. Aspectos Epidemiológicos dos Estomas. Rev. Estima. 2007; 5(1).

Silva MAD. A ética e a assistência à pessoa estomizada. In: Paula, MAB, Paula PR, Cesaretti IUR. Estomaterapia em foco e o cuidado especializado. São Caetano do Sul: Yendis, 2014. 391-406.

Burch J. Complications of stomas: Their aetiology and management. British journal of community nursing. 2017; 22(8): 380-83. https://doi.org/10.12968/bjcn.2017.22.8.380

Yates S, McNichol L, Heinecke SB, Gray M. Embracing the concept, defining the practice, and changing the outcome. Journal of Wound, Ostomy and Continence Nursing. 2017; 44(1): 13-7. https://doi.org/10.1097/WON.0000000000000290

Paula MAB, Takahashi RF. Estomia e sexualidade. In: Paula MAB, Paula PR, Cesaretti IUR. Estomaterapia em foco e o cuidado especializado. São Caetano do Sul: Yendis, 2014. 335-346.

Moraes JT, Amaral CFS, Borges EL, Ribeiro MS, Guimarães EAA. Serviços de atenção ao estomizado: análise diagnóstica no Estado de Minas Gerais, Brasil. Cad. saúde colet. 2014; 22(1): 101-8 http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400010015

Portaria GM/MS nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010 - Brasil. Estabelece as diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 30 dez. 2010.

Giovanella L, Mendonça MHM, Almeida PF, Escorel S, Senna MCM, FauSTO MCR, et al. Family health: limits and possibilities for an integral primary care approach to health care in Brazil. Ciênc. saúde coletiva. 2009; 14(3): 783-94. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000300014

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde. 2011.

Cecílio LCO. Apontamentos teórico-conceituais sobre processos avaliativos considerando as múltiplas dimensões da gestão do cuidado em saúde. Interface. 2011; 15(37): 589-99 http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832011000200021

Charmaz, K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Portaria GM/MS nº 793, de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 24 abr. 2012.

Portaria GM/MS nº 400, de 16 de novembro de 2009. Estabelece diretrizes nacionais para a Atenção à Saúde das Pessoas Ostomizadas no âmbito do SUS Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 16 nov. 2009.

Vargas I, Pérez ASM, DE Paepe P, SilVA MRF, Unger JP, Vázquez ML. Do existing mechanisms contribute to improvements in care coordination across levels of care in health services networks? Opinions of the health personnel in Colombia and Brazil. BMC Health Serv Res. 2015; 15: 213. https://doi.org/10.1186/s12913-015-0882-4

Umpierrez AHF. La gestión del cuidado em la legislación profesional: algunas consideraciones para su regulación. Cienc. enferm, Concepcion. 2013; 19(3): 103-109. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532013000300011

Aguero SE, Klijn TP. Enfermería en el rol de gestora de los cuidados. Cienc. enferm. Concepción. 2010; 16(3): 33-9. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532010000300005

Nascimento CMS, Trindade GLB, Luz MHBA, Santiago RF. Vivência do paciente estomizado: uma contribuição para a assistência de enfermagem. Texto contexto – enferm. 2011; 20(3): 557-64. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000300018

Poletto D, Silva DMGV. Living with intestinal stoma: the construction of autonomy for care. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013; 21(2): 531-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000200009

Arruda C, Lopes SGR, Koerich MHAL, Winck DR, Meirelles BHS, Mello ALSF. Redes de atenção à saúde sob a luz da teoria da complexidade. Esc. Anna Nery. 2015; 19(1):169-73. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20150023

Erdmann AL, Mello ALSF, Andrade SR, Drago LC. Organização das práticas de cuidado na rede de atenção à saúde. Online braz. J. nur. 2011; 10(1).

Rodrigues LBB, Silva PCS, Peruhype RC, Palha PF, Popolin MP, Crispim JA, et al. A atenção primária à saúde na coordenação das redes de atenção: uma revisão integrativa. Ciênc. saúde coletiva. 2014; 19(2): 343-52. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014192.18032012

Sousa FOS, Medeiros KR, Júnior GDG, Albuquerque PC. Do normativo à realidade do Sistema Único de Saúde: revelando barreiras de acesso na rede de cuidados assistenciais. Ciênc. saúde coletiva. 2014; 10(4): 1283-93. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014194.01702013

Vargas I, Mogollón-pérez AS, Unger JP, Silva MR, Paepe P, Vázquez ML. Regional-based Integrated Healthcare Network policy in Brazil: from formulation to practice. Health Policy Plan. 2014; 30(6): 705-17. https://doi.org/10.1093/heapol/czu048

Publicado
2018-12-20
Cómo citar
Cibele Tramontina, P., Balbinot Reis Girondi, J., Lorenzini Erdmann, A., Daiana Engel, F., & Schaefer Ferreira de Mello, A. L. (2018). Gestão do cuidado à pessoa com estomia e a rede de atenção à saúde. Revista Cuidarte, 10(1). https://doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.613
Sección
Artículos de Investigación