Vivências de familiares durante o trabalho de parto pré-termo

Emily da Cruz Lima, Luciano Marques dos Santos, Shirlene Cerqueira dos Santos, Marialda Moreira Christoffel, Nalú Pereira da Costa Kerber

Resumen


Introdução: O trabalho de parto pré-termo é uma situação vivenciada por muitas mulheres, sendo que esta condição pode interferir no curso normal da gravidez, impactando na vida da parturiente e de sua família, principalmente nos domínios afetivo, cognitivo e comportamental. Objetivo: Compreender os significados da vivência da família durante o trabalho de parto pré-termo. Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada com 23 familiares de mulheres que tiveram trabalho de parto pré-termo, atendidas em dois hospitais públicos de Feira de Santana na Bahia. Os dados foram coletados entre março a julho de 2015 por meio de entrevistas semiestruturadas e submetidos à análise temática. Foi aprovado por comitê de ética na pesquisa. Resultados: Após a análise dos dados emergiram quatro categorias: Vivenciando momentos do TPP inicialmente inesperados; Sofrimento durante o trabalho de parto prematuro intra-hospitalar; Demonstração de Fé; Alívio após o parto. Discussão: Percebeu-se que a maioria dos familiares demostraram desconhecimento dos sinais e sintomas e, precisaram peregrinar por atendimento hospitalar. Diversos sentimentos são desencadeados como preocupação, angústia, tristeza e nervosismo. A fé foi identificada como o principal mecanismo de suporte. Após o nascimento, as principais emoções identificadas foram alívio e felicidade. Conclusões: Diante do contexto investigado, fica claro no estudo um déficit de informações nas redes de saúde, indicando a importância de um atendimento de qualidade e eficiente. Os familiares devem receber suporte dos profissionais de saúde para que possam enfrentar essa situação da melhor forma possível.

Como citar este artigo: Lima EC, Santos LM, Santos SC, Christoffel MM, Kerber NPC. Vivências de familiares durante o trabalho de parto pré-termo. Rev Cuid. 2019; 10(1): e616. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.616


Palabras clave


Trabalho de Parto Prematuro; Relações Familiares; Emoções; Pessoal de Saúde.

Referencias


Silvia GG, Gonzalez LD, Paneque MCM. Afrontamiento de la familia ante el nacimiento de un hijo prematuro. NURE In. 2014; 11(69):1-11.

Cunha EFC, Carvalho MMSB, Santos CA, Ferreira AL, Barros MMS, Mendonça ACM. Aspectos socioemocionais de mães de bebês prematuros. Psicologia &m foco. 2009; 3(2): 35-44.

Oliveira VJ, Madeira AMF, Penna CMM. Vivenciando a gravidez de alto risco entre a luz e a escuridão. Rev Rene. 2011; 12(1): 49-56. http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v12i1.4119

Pohlmann FC, Kerber NPC, Viana JS, Carvalho VF, Costa CC, Souza CS. Parto prematuro: enfoques presentes en la producción científica nacional e internacional. Enfermería global. 2016; (42): 386-97.

Pontes GAR, Cantillino A. A influência do nascimento prematuro no vínculo mãe-bebê. J Bras Psiquiatr. 2014; 63(4): 290-8. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000037

Blencowe H, Cousens S, Chou D, Oestergaard M, Say L, Moller A, et al. Born Too Soon: The global epidemiology of 15 million preterm births. Reprod Health. 2013; 10(Suppl 1): S2. https://doi.org/10.1186/1742-4755-10-S1-S2

Marchettii D, Moreira MC. Vivências da prematuridade: a aceitação do filho real pressupõe a desconstrução do bebê imaginário? Rev Psicol Saúde. 2015; 7(1): 82-9. http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v7i1.408

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Bittar RE. Parto pré-termo. Rev Med. 2018; 97(2): 195-207. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i2p195-207

World Health Organization (WHO). Born too soon: the global action report on preterm birth. Geneva; 2012 [cited 2016 Mar 12].

Pettengill MAM, Angelo M. Vulnerabilidade da família: desenvolvimento do conceito. Rev Lat Am Enfermagem. 2005; 13(6): 982-8. https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000600010

Diniz CSG, d'Orsi E, Domingues RMSM, Torres JA, Dias MAB, Schneck CA, et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional Nascer no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Supp): S140-53. https://doi.org/10.1590/0102-311X00127013

Oliveira K, Veronez M, Higarashi IH, Corrêa DAM. Vivências de familiares no processo de nascimento e internação de seus filhos em uti neonatal. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2013; 17(1): 46-53. https://doi.org/10.1590/S1414-81452013000100007

Lei nº 11108, de 7 de abril de 2005, Brasil. Dispõe sobre a garantia às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da República Federativa do Brasil 8abr 2005. Seção 1.

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MVC, Felipe GF. Percepção de mulheres sobre a vivência do trabalho de parto e parto. Rev Rene. 2010; 11(Esp): 32-41.


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.