Vivências de familiares durante o trabalho de parto pré-termo

Resumen

Introdução: O trabalho de parto pré-termo é uma situação vivenciada por muitas mulheres, sendo que esta condição pode interferir no curso normal da gravidez, impactando na vida da parturiente e de sua família, principalmente nos domínios afetivo, cognitivo e comportamental. Objetivo: Compreender os significados da vivência da família durante o trabalho de parto pré-termo. Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa realizada com 23 familiares de mulheres que tiveram trabalho de parto pré-termo, atendidas em dois hospitais públicos de Feira de Santana na Bahia. Os dados foram coletados entre março a julho de 2015 por meio de entrevistas semiestruturadas e submetidos à análise temática. Foi aprovado por comitê de ética na pesquisa. Resultados: Após a análise dos dados emergiram quatro categorias: Vivenciando momentos do TPP inicialmente inesperados; Sofrimento durante o trabalho de parto prematuro intra-hospitalar; Demonstração de Fé; Alívio após o parto. Discussão: Percebeu-se que a maioria dos familiares demostraram desconhecimento dos sinais e sintomas e, precisaram peregrinar por atendimento hospitalar. Diversos sentimentos são desencadeados como preocupação, angústia, tristeza e nervosismo. A fé foi identificada como o principal mecanismo de suporte. Após o nascimento, as principais emoções identificadas foram alívio e felicidade. Conclusões: Diante do contexto investigado, fica claro no estudo um déficit de informações nas redes de saúde, indicando a importância de um atendimento de qualidade e eficiente. Os familiares devem receber suporte dos profissionais de saúde para que possam enfrentar essa situação da melhor forma possível.

Como citar este artigo: Lima EC, Santos LM, Santos SC, Christoffel MM, Kerber NPC. Vivências de familiares durante o trabalho de parto pré-termo. Rev Cuid. 2019; 10(1): e616. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.616

Biografía del autor/a

Emily da Cruz Lima, Universidade Estadual de Feira de Santana
Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual de Feira de Santana
Luciano Marques dos Santos, Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo, Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, Bahia, Brasil.
Doutorando do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo, Professor do curso de enfermagem da Universidade Estadual de Feira de Santana
Shirlene Cerqueira dos Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, Bahia, Brasil.
Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual de Feira de Santana
Marialda Moreira Christoffel, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil.
Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro
Nalú Pereira da Costa Kerber, Escola de Enfermagem, da Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil.
Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina, Professora da Escola de Enfermagem, da Universidade Federal do Rio Grande

Citas

Silvia GG, Gonzalez LD, Paneque MCM. Afrontamiento de la familia ante el nacimiento de un hijo prematuro. NURE In. 2014; 11(69):1-11.

Cunha EFC, Carvalho MMSB, Santos CA, Ferreira AL, Barros MMS, Mendonça ACM. Aspectos socioemocionais de mães de bebês prematuros. Psicologia &m foco. 2009; 3(2): 35-44.

Oliveira VJ, Madeira AMF, Penna CMM. Vivenciando a gravidez de alto risco entre a luz e a escuridão. Rev Rene. 2011; 12(1): 49-56. http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v12i1.4119

Pohlmann FC, Kerber NPC, Viana JS, Carvalho VF, Costa CC, Souza CS. Parto prematuro: enfoques presentes en la producción científica nacional e internacional. Enfermería global. 2016; (42): 386-97.

Pontes GAR, Cantillino A. A influência do nascimento prematuro no vínculo mãe-bebê. J Bras Psiquiatr. 2014; 63(4): 290-8. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000037

Blencowe H, Cousens S, Chou D, Oestergaard M, Say L, Moller A, et al. Born Too Soon: The global epidemiology of 15 million preterm births. Reprod Health. 2013; 10(Suppl 1): S2. https://doi.org/10.1186/1742-4755-10-S1-S2

Marchettii D, Moreira MC. Vivências da prematuridade: a aceitação do filho real pressupõe a desconstrução do bebê imaginário? Rev Psicol Saúde. 2015; 7(1): 82-9. http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v7i1.408

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Bittar RE. Parto pré-termo. Rev Med. 2018; 97(2): 195-207. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i2p195-207

World Health Organization (WHO). Born too soon: the global action report on preterm birth. Geneva; 2012 [cited 2016 Mar 12].

Pettengill MAM, Angelo M. Vulnerabilidade da família: desenvolvimento do conceito. Rev Lat Am Enfermagem. 2005; 13(6): 982-8. https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000600010

Diniz CSG, d'Orsi E, Domingues RMSM, Torres JA, Dias MAB, Schneck CA, et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional Nascer no Brasil. Cad Saúde Pública. 2014; 30(Supp): S140-53. https://doi.org/10.1590/0102-311X00127013

Oliveira K, Veronez M, Higarashi IH, Corrêa DAM. Vivências de familiares no processo de nascimento e internação de seus filhos em uti neonatal. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2013; 17(1): 46-53. https://doi.org/10.1590/S1414-81452013000100007

Lei nº 11108, de 7 de abril de 2005, Brasil. Dispõe sobre a garantia às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da República Federativa do Brasil 8abr 2005. Seção 1.

Oliveira ASS, Rodrigues DP, Guedes MVC, Felipe GF. Percepção de mulheres sobre a vivência do trabalho de parto e parto. Rev Rene. 2010; 11(Esp): 32-41.

Publicado
2018-12-20
Cómo citar
da Cruz Lima, E., Marques dos Santos, L., Cerqueira dos Santos, S., Moreira Christoffel, M., & Pereira da Costa Kerber, N. (2018). Vivências de familiares durante o trabalho de parto pré-termo. Revista Cuidarte, 10(1). https://doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.616
Sección
Artículos de Investigación