Afastamento do trabalho por transtornos mentais e comportamentais entre profissionais de enfermagem

Resumen

Introdução: O setor saúde apresenta alto índice de adoecimento dos trabalhadores decorrente da exposição frequente a cargas biológicas, físicas e psíquicas. Dentre esses trabalhadores a enfermagem representa o maior contingente da força de trabalho, estando mais exposta e vulnerável ao desenvolvimento de agravos à saúde, em especial os transtornos mentais e comportamentais. Objetivo: Descrever as causas dos afastamentos do trabalho por transtornos mentais e comportamentais entre profissionais de enfermagem. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal e descritivo, realizado por meio de informações armazenadas no banco de dados do Serviço de Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho de um Hospital Universitário, localizado em Teresina, Piauí. Resultados: Os episódios depressivos foram responsáveis pela maior parte dos afastamentos 29(24,1%), sendo o sexo feminino o mais predominante 100(90,5%), com destaque para a faixa etária entre 31 a 40 anos 64(57,7%). Quanto à categoria profissional, destacou-se a dos técnicos de enfermagem 79(68,1%). O setor de internação foi responsável pelo maior número de afastamentos por transtornos mentais e comportamentais 36(31,3%). Discussão: Os fatores desencadeantes de depressão nesses trabalhadores podem estar relacionados à submissão frequente a excessivas cargas de trabalho, a plantões desgastantes e altas cargas psicológicas. Conclusões: Estratégias de promoção da saúde, reorganização das condições de trabalho e adequada atenção à saúde mental desses trabalhadores constituem-se em importantes medidas para a redução dos afastamentos do trabalho.

Como citar este artigo: Oliveira DM, Alencar NMBM, Costa JP, Fernandes MA, Gouveia MTO, Santos JDM. Afastamento do trabalho por transtornos mentais e comportamentais entre profissionais de enfermagem. Rev Cuid. 2019; 10(2): e631. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i2.631

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Worm FA, Pinto MA, Schiavenato D, Ascari RA, Trindade L, Silva OM. Risco de adoecimento dos profissionais de enfermagem no trabalho em atendimento móvel de urgência. Rev Cuid. 2016; 7(2):1288-96. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i2.329

Mininel VA, Baptista PCP, Felli VEA. Psychic workloads and strain processes in nursing workers of Brazilian university hospitals. Rev Latino-Am Enferm. 2011; 19(2): 340-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000200016

Trindade LL, Grisa CC, Ostrovski VP, Adamy EK, Ferraz L, Amestoy SC, et al. Absentismo en el equipo de enfermería en el ambiente hospitalario. Enferm glob. 2014; 13(36): 138-46. https://doi.org/10.6018/eglobal.13.4.181541

World Health Organization - WHO. Plan de acción sobre salud mental 2013-2020. Genebra; 2013.

Brasil. 2º Boletim Quadrimestral de Monitoramento dos Benefícios. 1ª.ed. Brasília: Secretaria de Políticas de Previdência Social. 2014.

Silva DMPP, Marziale MHP. Absenteísmo de trabalhadores de enfermagem em um hospital universitário. Rev Latino-Am Enfermagem. 2000; 8(5): 44-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692000000500007

Sancinetti TR, Gaidzinski RR, Felli VEA, Fugulin FMT, Baptista PCP, Ciampone MHT, et al. Absenteísmo - doença na equipe de enfermagem: relação com a taxa de ocupação. Rev esc enferm USP. 2009; 43(spe2):1277-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000600023

Barbosa JRM, Santana MDR, Araújo AF, Guimarães JMX. Absenteísmo dos profissionais de enfermagem dentro do contexto hospitalar: revisão integrativa da literatura. Rev e-ciência. 2016; 4(1): 6-15. https://doi.org/10.19095/rec.v4i1.81

Machado MH, Filho WA, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M, et al. Caracteristicas gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Enferm Foco. 2016; 7(esp): 9-14. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2016.v7.nESP.686

Lucca SR, Rodrigues MSD. Absenteísmo dos profissionais de enfermagem de um hospital universitário do estado de São Paulo, Brasil. Rev Bras Med Trab. 2015;13(2):76-82.

Santana LL, Sarquis LMM, Brey C, Miranda FMD, Felli VEA. Absenteeism due to mental disorders in health professionals at a hospital in southern Brazil. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(1): 534-85. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2016.01.53485

Gomes RK, Oliveira VB. Depressão, ansiedade e suporte social em profissionais de enfermagem. Bol Psicol. 2013; 63(138): 23-33.

Jesus Oliveira R, Cunha T. Estresse do profissional de saúde no ambiente de trabalho: causas e consequências. Cad Saúde e Desenv. 2014;3(2):78-93.

Oliveira MIV, Filho JGB, Souza AM, Feitosa RFG, Bezerra MGA. Estresse ocupacional: manifestações de sintomas físicos, psicológicos e sociais dos profissionais de enfermagem de uma maternidade pública no Brasil, Fortaleza-Ceará. Cienc & Trabajo. 2012; 14(45): 254-9.

Oliveira RD, Neves EB, Kaio CH, Ulbrich L. Afastamento do trabalho em profissionais de enfermagem por etiologias psicológicas. Rev Bras Promoc Saude. 2013; 26(4): 554-62. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p554

Cavalcante FG, Minayo MCdS, Mangas RMN. Different aspects of depression in suicide among the elderly. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18(10): 2985-94. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001000023

Santana LL, Miranda FMD, Karino ME, Baptista PCP, Felli VEA, Sarquis LMM. Cargas e desgastes de trabalho vivenciados entre trabalhadores de saúde em um hospital de ensino. Rev Gaúcha Enferm. 2013; 34(1): 64-70. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472013000100008

Godin I, Kittel F, Coppieters Y, Siegrist J. A prospective study of cumulative job stress in relation to mental health. BMC Public Health. 2005;5:67. https://doi.org/10.1186/1471-2458-5-67

Fakih FT, Tanaka LH, Carmagnani MIS. Ausências dos colaboradores de enfermagem do pronto-socorro de um hospital universitário. Acta Paul Enferm. 2012; 25(3): 378-85. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000300010

Marques DO, Pereira MS, Souza ACS, Vila VSC, Almeida CCOF, Oliveira EC. Absenteeism - illness of the nursing staff of a university hospital. Rev Bras Enferm. 2015; 68(5): 876-82. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680516i

Akachi Y, Kruk ME. Quality of care: measuring a neglected driver of improved health. Bull World Health Organ. 2017; 95: 465-72. https://doi.org/10.2471/BLT.16.180190

Publicado
2019-05-03
Cómo citar
Machado Oliveira, D., Brandim de Mesquita Alencar, N. M., Pereira Costa, J., Astrês Fernandes, M., Teles de Oliveira Gouveia, M., & Marques Santos, J. D. (2019). Afastamento do trabalho por transtornos mentais e comportamentais entre profissionais de enfermagem. Revista Cuidarte, 10(2). https://doi.org/10.15649/cuidarte.v10i2.631
Sección
Artículos de Investigación