Validação de uma tecnologia educativa em biossegurança na atenção primária

Resumen

Introdução: Ações de biossegurança em saúde são primordiais para promoção e manutenção do bem-estar e proteção da vida. Tecnologias educacionais são ferramentas que podem colaborar no processo de aprendizagem. Para sua utilização é necessário mensurar a confiabilidade de seu conteúdo e forma. Objetivo: Validar uma tecnologia educacional sobre biossegurança para utilização prática pelos profissionais de saúde da Atenção Primária em Saúde. Materiais e Métodos: Estudo metodológico para validação de um dispositivo sobre biossegurança submetido à apreciação de 11 juízes e 13 profissionais da saúde como público alvo. Na coleta de dados utilizou-se uma escala de Likert. Análise por estatística descritiva simples, testes Alpha de Cronbach e ANOVA. Resultados: Avaliação de juízes e público alvo revelou índices de 85.7% e 92,46% respectivamente, demonstrando alta aceitabilidade para todos os itens da escala. O Alpha de Cronbach, com valores de 0,971 e 0,934, para juízes e público alvo respectivamente, mostrou índices de alta confiabilidade. O ANOVA testou as hipóteses H0 e H1 e aceitou H0, não há diferença significativa na avaliação dos juízes e público alvo em relação à apropriação do uso da tecnologia. Discussão: A tecnologia foi considerada satisfatória quanto ao seu objetivo e seu uso é apropriado para intermediar as ações dos profissionais nas práticas cotidianas. Conclusões: Obteve-se êxito na validação da tecnologia educacional podendo-se afirmar que é um instrumento apropriado e de confiabilidade.

Como citar este artigo: Monteiro DS, Rodrigues ILA, Souza DF, Barbosa FKM, Farias RC, Nogueira LMV. Validação de uma tecnologia educativa em biossegurança na atenção primária. Rev Cuid. 2019; 10(2): e654. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i2.654

Biografía del autor/a

Diully Siqueira Monteiro, Universidade do Estado do Pará
Acadêmica de Enfermagem.
Ivaneide Leal Ataíde Rodrigues, Universidade do Estado do Pará
Doutora em enfermagem.
Dilma Fagundes de Souza, Universidade do Estado do Pará
Doutora em enfermagem.
Fernando Kleber Martins Barbosa, Universidade do Estado do Pará
Acadêmico de enfermagem.
Regiane Camarão Farias, Universidade do Estado do Pará
acadêmico de enfermagem.
Laura Maria Vidal Nogueira, Universidade do Estado do Pará
Doutora em enfermagem.

Citas

Schmitz CAA, Harzheim E. Oferta e utilização de teleconsultorias para Atenção Primária à Saúde no Programa Telessaúde Brasil Redes. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12 (39):1-11. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1453

Previato GF, Baldissera VDA. Retratos da prática interprofissional colaborativa nas equipes da atenção primária à saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:1-9. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0132

Porto JS, Marziale MHP. Motivos e consequências da baixa adesão às precauções padrão pela equipe de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2016; 37(2): 1-16. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.02.57395

Rocha APF, Rezende BA, Lima FAF, Borges MGS, Oliveira RC, Santos JN. Medidas de biossegurança adotadas por profissionais atuantes em audiologia. Rev CEFAC. 2015;17(l1): 96-106. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201517s120811

Ministério da Saúde - Brasil. Biossegurança em saúde: prioridades e estratégias de ação / Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. Brasília. Ministério da Saúde. 2010. 242 p.

Santos ZMSA, Frota MA, Martins ABT. Tecnologias em saúde: da abordagem teórica a construção e aplicação no cenário do cuidado. in: Pereira DS, Sousa R, Santos AC, Bezerra AMS, Gomes FLC, Santos ZMSA. A tecnologia como ferramenta promotora da saúde. Fortaleza: EdUECE; 2016. p. 64-82.

Fonseca D, Martí N, Redondo E, Navarro I, Sánchez A. Relationship between student profile, tool use, participation, and academic performance with the use of Augmented Reality technology for visualized architecture models. Comput Human Behav. 2014; 31: 434-45. https://doi.org/10.1016/j.chb.2013.03.006

Rodrigues CCFM, Carvalho DPSRP, Salvador PTCO, Medeiros SM, Menezes RMP, Ferreira Júnior MA, et al. Ensino inovador de enfermagem a partir da perspectiva das epistemologias do Sul. RevEsc Anna Nery. 2016; 20(2): 384-9.

http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160053

Teixeira E, Mota VMSS, Organizadoras. Tecnologias educacionais em foco. São Paulo: Difusão; 2011.

Benevides JL, Coutinho JFV, Pascoal LC, Joventino ES, Martins MC, Gubert FA, et al. Development and validation of educational technology for venous ulcer care. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(2): 306-12. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000200018

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Pereira AA, Nascimento CC, Monteiro DS, Rodrigues ILA, Nogueira LMV. Desenvolvimento participativo com profissionais da saúde de um dispositivo sobre biossegurança. In: Teixeira E. Desenvolvimento de tecnologias cuidativo-educacionais. Porto Alegre: Moriá; 2017. p. 83-98.

Vinuto J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate aberto. Temática. 2014; 22(44): 201-18.

Pasquali L. Instrumentação psicológica: fundamentos e práticas. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Teixeira E, Martins TDR, Miranda PO, Cabral BG, Silva BAC, Rodrigues LSS. Tecnologia educacional sobre cuidados no pós-parto: construção e validação. Revista Baiana de Enfermagem. 2016; 30(2): 1-10. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v30i2.15358

Coluci MZO, Alexandre NMC, Milani D. Construção de instrumentos de medida na área da saúde. Ciência & amp; Saúde Coletiva. 2015; 20(3): 925-36 http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015203.04332013

Souza AC, Alexandre NMC, Guirardello EB. Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiol. Serv. Saúde. 2017; 26(3): 649-59. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000300022

Espinoza-Venegas M, Sanhueza-Alvarado O, Ramírez-Elizondo N, Sáez-Carrillo K. Validação do construto e da confiabilidade de uma escala de inteligência emocional aplicada a estudantes de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(1): 139-47. http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.3498.2535

Silva DML, Carreiro FA, Mello R. Tecnologias educacionais na assistência de enfermagem em educação em saúde: revisão integrativa. Rev enferm UFPE online. 2017;11(2):1044-51. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0041

Brasil GB, Rodrigues ILA, Nogueira LMV, Palmeira IP. Tecnologia educacional para pessoas que convivem com HIV: estudo de validação. Rev Bras Enferm. 2018; 71(4): 1754-9. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0824

Jesus EB, Esteves AVF, Teixeira E, Medeiros HP, Nascimento MH, Saboia VM. Validação de tecnologia educacional sobre fototerapia para orientar familiares de neonatos ictéricos. Rev enferm UERJ. 2018; 26:1-7. https://doi.org/10.12957/reuerj.2018.21789

Martins PR, Fonseca LF, Rossetto EG, Mai LD. Elaboração e validação de Escala de Desconforto da Sede Perioperatória. Rev Esc Enferm USP. 2017; 51(03240): 1-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2016029003240

Publicado
2019-05-03
Cómo citar
Siqueira Monteiro, D., Leal Ataíde Rodrigues, I., Fagundes de Souza, D., Kleber Martins Barbosa, F., Camarão Farias, R., & Vidal Nogueira, L. M. (2019). Validação de uma tecnologia educativa em biossegurança na atenção primária. Revista Cuidarte, 10(2). https://doi.org/10.15649/cuidarte.v10i2.654
Sección
Artículos de Investigación