Fatores relacionados à qualidade de vida de pacientes transplantados

Palabras clave: Perfil de Saúde, Cuidados de Enfermagem, Educação em Saúde, Avaliação em Saúde, Inquéritos e Questionários

Resumen

Introdução: O transplante é um procedimento cirúrgico que configura a última forma de tratamento eficaz para doenças em fase terminal. A realização deste pode proporcionar melhorias na qualidade de vida dos indivíduos e fatores diversos podem interferir nesta percepção. O objetivo do estudo foi avaliar a influência de fatores socioeconômicos e inerentes ao transplante na percepção da qualidade de vida em pacientes submetidos a transplantes de órgãos. Materiais e Métodos: Estudo descritivo, quantitativo e de caráter transversal, realizado por meio de um questionário socioeconômico e um questionário de qualidade de vida, o World Health Organization Quality of Life- Bref. A amostra foi composta por 258 participantes. Foram utilizados os testes U de Mann Whitney e Kruskal Wallis, além da correlação de Spearman. O nível de significância adotado foi p<0,05. Resultados: Os resultados mostraram que ter rendas acima de 2 salários apresentaram diferença significativa em relação aos participantes com renda inferiores. Casados apresentaram diferença significativa no domínio psicológico em relação às demais situações conjugais. O transplantado de fígado apresentou diferença significativa na auto avaliação em relação aos outros transplantados. Discussão: O transplante apesar de não proporcionar cura, reabilita, possibilitando-os sentir prazeres que foram esquecidos por conta doença e que aos poucos puderam ser recuperados. Conclusões: Os pacientes perceberam a qualidade de vida de forma satisfatória, e, rendas elevadas, transplante hepático e presença de companheiro impactaram positivamente nesta percepção.

Como citar este artigo: Leite AMC, Sousa PSA, Costa JR, Melo RA, Carvalho FO, Moura JC. Fatores relacionados à qualidade de vida de pacientes transplantados. Rev Cuid. 2019; 10(2): e715. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i2.715

Biografía del autor/a

Alana Mirelle Coelho Leite, Universidade do Estado da Bahia UNEB Campus VII
1Mestre em Ciências pela Universidade Federal do São Franscisco (UNIVASF); Professora substituta do Colegiado de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia – UNEB Campus VII. Senhor do Bonfim – BA
Patrícia Shirley Alves Sousa, Professora do Colegiado de Enfermagem da FASJ. Enfermeira na UNIMED Vale do São Francisco. Petrolina – PE.UNIMED Vale do São Francisco. Petrolina – PE.
Mestre em Ciências pela Universidade Federal do São Franscisco (UNIVASF); Professora do Colegiado de Enfermagem da FASJ. Enfermeira na UNIMED Vale do São Francisco.  Petrolina – PE
Joice Requião Costa, Universidade do Estado da Bahia – UNEB Campus VII
Mestre em Ciências pela Universidade Federal do São Franscisco (UNIVASF); Professora do Colegiado de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia – UNEB Campus VII. Senhor do Bonfim – BA
Rosana Alves de Melo, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
Doutora em Inovações Terapêuticas pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora assistente do colegiado de enfermagem da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Petrolina – PE
Ferdinando Oliveira Carvalho, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
Doutor em Educação Física na Universidade Católica de Brasília (UCB-DF. Professor Adjunto 3 do colegiado de Educação Física da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Petrolina – PE
José Carlos de Moura, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)
Doutor em Medicina pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Colegiado de Medicina da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Petrolina – PE

Citas

Dos Reis FP, Gomes BHP, Pimenta LL, Eizel A. Morte encefálica e transplante de órgãos e tecidos: o entendimento dos alunos do curso de Medicina. Rev Bras Ter Intensiva. 2013; 25(4): 279-83. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20130048

Registro Brasileiro de Transplantes. Dimensionamento dos transplantes no Brasil e em cada estado. [Internet]. 2018 [acessado 2018 mai 26]; Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2018/Lv_RBT-2018.pdf

Mendonça AEO, Torres GV, Salvetti MG, Alchieri JC, Costa IKF. Changes in Quality of Life after kidney transplantation and related factors. Acta Paul Enferm. 2014; 27(3): 287-92. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400048

Mendonça AEO, Salvetti MG, Maia EMC, Silva ACO, Torres GV. Analysis of the physical aspects of quality of life of kidney recipients. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(1): 76-81. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000100010

Costa JM, Nogueira LT. Association between work, income and quality of life of kidney transplant recipient the municipality of Teresina, PI, Brasil. J Bras Nefrol. 2014; 36(3): 332-8. http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20140048

Aguiar MIF, Braga VAB, Almeida PC, Garcia JHP, Lima CA. Severity of liver disease and quality of life in liver transplantation. Acta Paul Enferm. 2016; 29(1):107-14. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201600015

Wicks P, Sulham KA, Gnanasakthy A. Quality of life in Organ transplant recipients participating in an Online Transplants Community. The Patient-Patient-Centered Outcomes Research. 2014; 7(1):73-84. http://dx.doi.org/10.1007/s40271-013-0033-0

García-Rodríguez MT, Piñón-Villar MDC, López-Calviño B, Otero-Ferreiro A, Suárez-López F, Gómez-Gutiérrez M et al. Assessment of nutritional status and health-related quality of life before and after liver transplantation. BMC gastroenterology. 2015; 15(1):1-9. http://dx.doi.org/10.1186/s12876-015-0232-3

Aguiar MIF, Braga VAB, Garcia JHP, Lima CA, Almeida PC, Souza AMA et al. Quality of life in liver transplant recipients and the influence of sociodemographic factors. Rev Esc Enferm USP. 2011; 50(3): 411-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000400006

Barros MVG, Reis RS, Florindo AA, Hallal PC, Junior JCF. Análise de dados em saúde. Londrina: Midiograf. 2012.

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Rev Saúde Pública. 2000; 34(2): 178-83. https://doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Pedroso B, Pilatti LA, Gutierres GL, Picinin CT. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-Bref através do Microsoft Excel. Rev Brasileira de Qualidade de Vida. 2010; 2(1) :32-6. http://dx.doi.org/10.3895/S2175-08582010000100004

Vasconcelos AG, Pessoa VLMP, Menezes FWP, Florêncio RS, Frota MXF. Repercussions on the daily living of post-heart transplantation patients. Acta Paul Enferm. 2015; 28(6): 573-9. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201500094

Griva k, Stygall J, Hui Ng J, Davenport A, Harrison MJ, Newman S. Prospective changes in health-related quality of life and emotional outcomes in kidney transplantation over 6 years. Journal of transplantation. 2011; ID 671571: 12. http://dx.doi.org/10.1155/2011/671571

Domingos M, Gouveia M, Pereira J, Nolasco F. A prospective assessment of renal transplantation versus haemodialysis: which therapeutic modality is good value for society? Portu J Nephr Hypert. 2014; 28(4):300-8.

Vasconcelos AG, Pessoa VLMP, Menezes FWP, Florêncio RS, Frota MXF. Repercussions on the daily living of post-heart transplantation patients. Acta Paul Enferm. 2015; 28(6):573-9. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201500094

Francisco, P. M. S. B. et al. Desigualdades sociodemográficas nos fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis: inquérito telefônico em Campinas, São Paulo. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2015; 24(1):7-18. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000100002

Arruda GO, Mathias TAF, Marcon SS. Prevalence and factors associated with the use of public health services for adult men. Cien Saude Colet. 2017; 22(1): 279-90. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017221.20532015

Brito DCS, Paula AM, Grincenkov FRS, Lucchetti G, Pinheiro HS. Analysis of the changes and difficulties arising from kidney transplantation: a qualitative study. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015; 23(3): 419-26. http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0106.2571

Pereira DS, Nogueira JAD, Silva CAB. Quality of life and the health status of elderly persons: a population-based study in the central sertão of Ceará. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015; 18(4): 893-908. http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14123

Prezotto KH, Abreu IS. The chronic renal patient and the adherence to hemodialysis treatment. Rev Enferm UFPE. 2014; 8(3):600-5.

Moreira RM, Boery EM, Oliveira DC, Sales ZN, Boery RNSO, Teixeira JRB, et al. Social representations of adolescents on quality of life: structurally-based study. Cien Saude Colet. 2015; 20(1):49-56. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014201.20342013

Feitoza SMS, Rebouças CBA, Silva MG, Ribeiro SB. Percepção das mães sobre os cuidados com o filho submetido ao transplante cardíaco. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2016;50(1):36-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000100005

Garcia CD, Pereira JD, Zago MK, Garcia VD. Manual de Doação e transplantes. 1st ed. Rio de Janeiro: Elsevier.2013.

Orlandi PF, Cristelli MP, Aldworth CAR, Freitas TVS, Felipe CR, Junior HTS et al. Long-term outcomes of elderly kidney transplant recipients. Jornal Brasileiro de Nefrologia. 2015; 37(2): 212-20. http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20150034

Publicado
2019-07-09
Cómo citar
Leite, A. M. C., Sousa, P. S. A., Costa, J. R., Melo, R. A. de, Carvalho, F. O., & Moura, J. C. de. (2019). Fatores relacionados à qualidade de vida de pacientes transplantados. Revista Cuidarte, 10(2). https://doi.org/10.15649/cuidarte.v10i2.715
Sección
Artículos de Investigación