Atendimentos do componente móvel da rede de atenção às urgências e emergências

Palabras clave: Acidentes de Trânsito, Serviços Médicos de Emergência, Assistência Ambulatorial, Epidemiologia, Motocicletas

Resumen

Introdução: As causas externas são um grave problema de saúde pública, dentre elas podemos destacar os acidentes motociclísticos, um grande causador do aumento das sequelas e mortalidade. Nesse sentido, como forma de reduzir as taxas de morbimortalidade desta parcela da população, criou-se a Rede de Urgência e Emergência, a fim de viabilizar um atendimento precoce. Materiais e Métodos: Estudo quantitativo, descritivo e transversal, com 1.812 fichas de atendimentos decorrentes de acidentes motociclísticos. Resultados: Constatou-se que o maior número das vítimas eram do sexo masculino (60,7%), com idade entre 20 a 59 anos (66%), o turno vespertino foi o de maior frequência (40,2%), sendo
a via pública (86,8%) o local onde houve mais registros dos casos. Quanto à natureza da lesão, houve predominância de escoriações (45,9%). Os procedimentos pré-hospitalares mais realizados foram imobilizações (47,2%) e curativos (17,7%). Discussão: Os acidentes de trânsito acometem principalmente os indivíduos do sexo masculino em idade economicamente ativa e tem se tornado um causador no aumento das sequelas. A média do Tempo Resposta foi de aproximadamente 30 minutos. Conclusões: Os resultados podem cooperar com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência ao apontar a necessidade de (re)organização do serviço e a necessidade do desenvolvimento de ações intersetoriais que possam ir além
dos componentes da rede de urgência e emergência.

Como citar este artigo: Santos G, Nery A, Constâncio T, Oliveira J, Carmo É, Silva V, et al. Atendimentos do componente móvel da rede de atenção às
urgências e emergências. Rev Cuid. 2019; 10(3): e779. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v10i3.779

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Givani Moraes Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, BA, Brasil

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, BA, Brasil.

Adriana Alves Nery, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Saúde II

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Saúde II. Jequié, BA, Brasil.


Tatiane Oliveira de Souza Constâncio, Programa de Pós-graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Jequié, BA, Brasil.

Universidade Jequié, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Jequié, BA, Brasil. 

Juliana Silva Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Saúde II

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Saúde II. Jequié, BA, Brasil.

Érica Assunção Carmo, Universidade Jequié, Programa de Pós-graduação em Enfermagem

Universidade Jequié, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Jequié, BA, Brasil

Vanessa Almeida Cardoso Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, BA, Brasil.

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, BA, Brasil.

Rafaela Almeida Silva, Universidade do Estado da Bahia

Universidade do Estado da Bahia. Salvador, BA, Brasil.

Referencias

World Health Organization. Global status report on road safety 2013: supporting a decade of action. Luxembourg: World Health Organization, 2013.

Carvalho SF. Plano de ação para redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito no município de Aracajú [Dissertação]. Aracaju (SE): Universidade Federal da Bahia; 2012.

Silva PHNV, Lima MLC, Moreira RS, Souza WV, Cabral APS. Spatial study of mortality in motorcycle accidents in the State of Pernambuco, Northeastern Brazil. Rev. Saúde Pública. 2011; 45(2):1-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102011005000010

Silva MB, Oliveira MB, Fontana RT. Atividade do mototaxista: riscos e fragilidades autorreferidos. Rev Bras Enferm. 2011; 64(6): 1048-55. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000600010

Amorim CR, Araújo EM, Araújo TM, Oliveira NF. Acidentes de trabalho com mototaxistas. Rev Bras Epidemiol. 2012; 15(1): 25-37. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2012000100003

Credo PF, Felix JVC. Perfil dos pacientes atendidos em um hospital de referência ao trauma em Curitiba: implicações para a enfermagem. Cogitare enferm. 2012; 17(1):126-31. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v17i1.26385

Ministério da Saúde - BR. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências. 2005.

Ministério da Saúde - BR. Portaria n. 1.600, de 07 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). 2011.

Ministério da Saúde - BR. Manual instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). 2013.

Lefundes GAA, Gonçalves NO, Nery AA, Vilela ABA, Filho IEM. Caracterização das ocorrências do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Revista Baiana de Enfermagem. 2016; 30(3): 1-10. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v30i3.16387

Mendonça MFS, Silva APSC, Castro CCL. Análise espacial dos acidentes de trânsito urbano atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: um recorte no espaço e no tempo. Rev Bras Epidemiol. 2017; 20(4): 727-41. http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201700040014

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico 2016.

Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Estabelecimento de Saúde do Município: Jequié/BA. 2018.

Souza NS. Programa humanizar, da admissão à alta hospitalar: unidade pediátrica do Hospital Geral Prado Valadares. Jequié/BA, 2016. 2018.

Ministério da Saúde. Portaria n. 1.208, de 25 de outubro de 2013. Habilita o Hospital Geral Prado Valadares, com sede em Jequié (BA), como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Traumatologia e Ortopedia. 2013. https://doi.org/10.14450/2318-9312.v25.e1.a2013.pp37-42

Mascarenhas MDM, Souto RMCV, Malta DCM, Silva MMA, Lima CM, Montenegro MMS. Características de motociclistas envolvidos em acidentes de transporte atendidos em serviços públicos de urgência e emergência. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(12): 3661-71. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152112.24332016

Oliveira NLB, Sousa RMC. Fatores associados ao óbito de motociclistas nas ocorrências de trânsito. Rev. esc. enferm. USP. 2012; 46(6): 1379-86. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000600014

Barbosa MQ, Abrantes KSM, Júnior WRS, Casimiro GS, Cavalcanti AL. Acidente Motociclístico: Caracterização das Vítimas Socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2014; 18(1): 3-10.

Belmonte LM, Lange BAA, Silva CM, Silva TO, Belmonte LAO. Levantamento do perfil das vítimas de acidentes motociclisticos internadas em um hospital público de Santa Catarina. Revista de Saúde Pública de Santa Catarina. 2017; 10(1): 8-22.

Cavalcante AKCB, Holanda VM, Rocha CFM, Cavalcante SW, Sousa JPR, Sousa FHR. Perfil dos acidentes de trânsito atendidos por serviço pré-hospitalar móvel. Revista Baiana de Enfermagem. 2015; 29(2): 135-45. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v29i2.12656

Freitas IA, Nóra EA. Serviço de atendimento móvel de urgência: perfil epidemiológico dos acidentes de trânsito com vítimas motociclistas. Revista Enfermagem Integrada. 2012; 5(2): 1008-17.

Departamento Nacional de Trânsito – DENATRAN. Frotas de veículos: frota 2018. 2018; Brasília: DENATRAN; 2018.

Rios PAA, Mota ELA. Traffic deaths: recent evolution and regional differences in Bahia State, Brazil. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(1): 131-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000100016

Noronha CKC, Morais ER. Ocorrência de óbitos por acidentes de motocicletas em Teresina, Estado do Piauí, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde. 2011; 2(4):11-6. http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232011000400002

Silva JK, Rios MA, Amaral TFS, Silva PL. Perfil dos acidentes de transporte terrestre atendidos pelo serviço de atendimento móvel de urgência. Rev enferm UFPE on line. 2016; 10(1):9-17.

Tavares FL, Coelho MJ, Leite FMC. Homens e acidentes motociclísticos: caracterização dos acidentes a partir do atendimento pré-hospitalar. Esc. Anna Nery. 2014; 18(4): 656-61. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140093

Prehospital Trauma Life Support (PHTLS) atendimento pré-hospitalar ao traumatizado, 7ª edição. NAEMT & ACS. Editora Elsevier, 2012.

Ramos CS. Caracterização do acidente de trânsito e gravidade do trauma: um estudo em vítimas de um hospital de urgência em Natal/RN [Dissertação]. Natal/RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2008.

Seyboth MP, Assada VK, Danielli VR. Delineamento do perfil epidemiológico dosatendimentos do Sistema de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) Maringá-PR. Revista Uningá. 2016; 48(1): 51-5.

Victorian auditor-general’s report, Emergency Service Response Times. Melbourne: Victorian Government Printer, 2015.

Publicado
2019-09-13
Cómo citar
1.
Santos GM, Nery AA, Constâncio TO de S, Oliveira JS, Carmo Érica A, Silva VAC, Silva RA. Atendimentos do componente móvel da rede de atenção às urgências e emergências. Rev Cuid [Internet]. 13 de septiembre de 2019 [citado 18 de noviembre de 2019];10(3). Disponible en: https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/779
Sección
Artículos de Investigación