Fatores sociodemográficos maternos associados ao aleitamento materno exclusivo

Palabras clave: Aleitamento Materno, Nutrição da Criança, Lactente, Atenção Primária à Saúde

Resumen

Introdução: O aleitamento materno é essencial para o crescimento e desenvolvimento adequados do lactente por sua composição energética e nutricional, pelos fatores imunológicos e por ser seguro, sob o aspecto higiênico-sanitário. Objetivo: Avaliar os fatores sociodemográficos maternos associados ao aleitamento materno exclusivo. Materiais e Métodos: Estudo transversal conduzido com 143 binômios mãe/filho menor de 24 meses de idade assistidos em quatro Unidades Básicas de Saúde de São Luís (MA). Aplicou-se um primeiro formulário para coletar dados socioeconômicos e demográficos dos binômios mãe-filho menor de 24 meses. O segundo formulário foi respondido por 75 mães em interrupção precoce do aleitamento materno exclusivo. Avaliou-se o tempo do aleitamento materno exclusivo, a assistência pré-natal e pós-parto à mulher, o apoio social na amamentação e a influência do uso de chupetas e mamadeiras na interrupção do aleitamento materno exclusivo. O Teste Exato de Fisher verificou a associação entre as variáveis. Resultados: Observou-se que 33,3% das crianças mantiveram a amamentação exclusiva até o sexto mês e o seu tempo foi maior (93,3%) entre as que eram beneficiárias de algum programa social. Discussões e Conclusões: A baixa frequência do tempo de aleitamento materno exclusivo nas crianças mostrou a necessidade de desenvolvimento de estratégias de incentivo à amamentação no âmbito da Atenção Primária em Saúde, de modo a contribuir para a qualificação da assistência nutricional e do pré-natal.

Como citar este artigo: Barbosa KIP, Conceição SIO. Fatores sociodemográficos maternos associados ao aleitamento materno exclusivo. Rev Cuid. 2020; 11(1): e811. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.811

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Késya Irene Pinheiro Barbosa, Fundação Educacional Machado de Assis

Fundação Educacional Machado de Assis. Río Grande do Sul, Santo Rosa, Brasil.

Sueli Ismael Oliveira Conceição, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Professora Doutora do Departamento de Ciências Fisiológicas da Universidade Federal do Maranhão - Brasil

Citas

World Health Organization (WHO). Infant and young child feeding: A tool for assessing national practices, policies and programmes. Geneva: WHO, 2003. Disponível em: http://www.who.int/nutrition/publications/infassessnnppeng.pdf

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: Aleitamento materno e alimentação complementar. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2015; 184 p.: il. – (Cadernos de Atenção Básica; n. 23).

World Health Organization (WHO). Estratégia Global para a Alimentação de Lactentes e Crianças de Primeira Infância. Geneva: WHO, 2003.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Atenção Básica. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Ministério da Saúde, 2009; 108 p.: il.

World Health Organization (WHO). Indicators for assessing infant and young child feeding practices part 3: Country profiles. Geneva: WHO, 2010.

Schincaglia MR, Oliveira CA, Sousa ML, Martins AK. Práticas alimentares e fatores associados à introdução precoce da alimentação complementar entre crianças menores de seis meses na região noroeste de Goiânia. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24(3): 465-74. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000300012

Machado MCM, Assis KF, Oliveira FCC, Ribeiro AQ, Araújo RMA, Cury AF, et al. Determinantes do abandono do aleitamento materno exclusivo: fatores psicossociais. Rev. Saúde Pública. 2014; 48(6): 985-94. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005340

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Bases para a discussão da Política Nacional de Promoção, Proteção e Apoio ao Aleitamento Materno. Brasília: Ministério da Saúde, 2017; 68 p.: il. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/bases_ discussao_politica_aleitamento_materno.pdf

IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa Nacional de Saúde: 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE, 2015; 100 p. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/junho/09/PNS-2013-1.pdf

Brasil. Portaria Nº 2.436, de 21 de setembro DE 2017. Brasília: Diário Oficial da União, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Brasil, Ministério da Saúde, Departamento de Atenção Básica. [homepage on the Internet]. Parâmetro de cobertura utilizado na PNAB, IDSUS e COAP. [capturado: 2015 dez 10]; Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Alterações no Critério de Classificação Econômica Brasil - CCEB. São Paulo: ABEP, 2015.

Brasil, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 171, de 4 de setembro de 2006. Brasília: Diário Oficial da União, 2006. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0171_04_09_2006.%20pdf/086680c6-2a27-4629-ba6f-f4f41cef14c3

Saldan PC, Venancio SI, Saldiva SRDM, Pina JC, Mello DF. Breastfeeding practices of children under two years of age based on World Health Organization indicators. Rev. Nutr.2015; 28(4): 409-20. https://doi.org/10.1590/1415-52732015000400007

Rieth NFA, Coimbra LC. Caracterização do aleitamento materno em São Luís, Maranhão. Rev Pesq Saúde. 2016; 17(1): 7-12.

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Atenção Básica. Alimentação e nutrição para as famílias do programa bolsa família: manual para os agentes comunitários de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010; 36 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Manual de condutas gerais do Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A. Brasília: Ministério da Saúde, 2013; 34 p.: il.

Brasil. Lei nº 11.265, de 3 de janeiro de 2006. Brasília: Diário Oficial da União, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11265.htm

Vieira GO, Reis MR, Vieira TO, Oliveira NF, Silva LR. Trends in breastfeeding indicators in a city of northe astern Brazil. Jornal de Pediatria. 2014; 91(3): 270-7. https://doi.org/10.1016/j.jped.2014.08.012

Margotti E, Margotti W. Fatores relacionados ao Aleitamento Materno Exclusivo em bebês nascidos em hospital amigo da criança em uma capital do Norte brasileiro. Saúde Debate. 2017; 41(114). https://doi.org/10.1590/0103-1104201711415

Andrade HS, Pessoa RP, Donizete LCV. Fatores relacionados ao desmame precoce do aleitamento materno. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018; 13(40): 1-11. https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1698

Centre for Women's and Children's Health. Antenatal Care: routine care for the healthy pregnant woman. London: RCOG Press, 2008. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK51886/

Tewabe T, Mandesh U, Gualu T, Alem L, Mekuria L, Zeleke H. Exclusive breastfeeding practice and associated factors among mothers in Motta town, East Gojjam zone, Amhara Regional State, Ethiopia, 2015: a cross-sectional study. International Breastfeeding Journal. 2017; 12(12). https://doi.org/10.1186/s13006-017-0103-3

Souza MHN, Sodré VRD, Silva FNF. Prevalência e fatores associados à prática da amamentação e de crianças que frequentam uma creche comunitária. Ciencia y Enferm. 2015; 21(1): 55-67. https://doi.org/10.4067/S0717-95532015000100006

Machado MOF, Haas VJ, Stefanello J, Nakano AMS, Sponholz FG. Aleitamento materno: conhecimento e prática. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(4): 809. https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000400004

Kornides M, Kitsantas P. Evaluation of breastfeeding promotion, support, and knowledge of benefits on breastfeeding outcomes. J Child Health Care. 2013; 17(3): 264-73. https://doi.org/10.1177/1367493512461460

Rocha MG, Costa ES. Interrupção precoce do aleitamento materno exclusivo: experiência com mães de crianças em consultas de puericultura. Rev. Bras. Prom. Saúde. 2015; 28(4): 547-52. https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p547

Pellegrinelli ALR, Pereira SCL, Ribeiro IP, Santos LC. Influência do uso de chupeta e mamadeira no aleitamento materno exclusivo entre mães atendidas em um Banco de Leite Humano. Rev. Nutr.2015; 28(6): 631-9. https://doi.org/10.1590/1415-52732015000600006

Victora CG, Bahl R, Barros AJ, França GV, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet, 2016; 387(10017): 475-90. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(15)01024-7

Bezerra VM, Magalhães EIS, Pereira IN, Gomes AT, Netto MP, Rocha DS. Prevalência e fatores determinantes do uso de chupetas e mamadeiras: um estudo no sudoeste baiano. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2019; 19(2). https://doi.org/10.1590/1806-93042019000200004

Publicado
2020-02-20
Cómo citar
1.
Pinheiro Barbosa KI, Conceição SIO. Fatores sociodemográficos maternos associados ao aleitamento materno exclusivo. Rev Cuid [Internet]. 20 de febrero de 2020 [citado 2 de abril de 2020];11(1). Disponible en: https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/811
Sección
Artículos de Investigación