Método Canguru: estratégias de Educação Permanente para sua implementação e execução

Palabras clave: Método Canguru, Educação Continuada, Equipe de Assistência ao Paciente, Pessoal de Saúde

Resumen

Introdução: Conhecer o contexto em que o método canguru é desenvolvido a partir das ações de Educação Permanente em Saúde. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo com abordagem qualitativa do tipo exploratório. Participaram do estudo, 12 profissionais da equipe de saúde. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevista semiestruturada e após, foram submetidos à análise de conteúdo. Resultados: Emergiram três categorias de análise: método canguru – concepções e entendimentos; educação permanente – estratégias de ensino-aprendizagem; e método canguru e o trabalho em equipe – limites e possibilidades. Discussão: Foram oferecidas ações educativas aos profissionais da UTI Neonatal antes de implementar o método canguru. Porém, no cotidiano de aplicação na prática identificou-se: baixa adesão da equipe multiprofissional na execução do método canguru; sobrecarga de trabalho; dificuldade no reconhecimento das indicações para colocar o recém-nascido na posição canguru; déficit de orientação aos familiares; e resistência da mãe para executar a prática. Conclusões: Observou-se que a instituição se preocupou em ofertar ações educativas aos profissionais da UTI Neonatal antes de implementar o método canguru, mas é necessário que discussões sobre o tema sejam levantadas constantemente para aperfeiçoar o trabalho desenvolvido pela equipe de saúde.

Como citar este artigo: Nietsche EA, Papa MM, Terra LG, Reisdorfer AP, Ramos TK, Antunes AP. Método Canguru: estratégias de Educação Permanente para sua implementação e execução. Rev Cuid. 2020; 11(1): e897. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.897

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

World Health Organization (WHO), March of Dimes, PMNCH, Save the Children. Born too soon: the global action report on preterm birth [Internet]. Howson CP, Kinney MV, Lawn JE, editors. Geneva: WHO; 2012. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44864/1/9789241503433_eng.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Informações de Saúde (TABNET). Nascidos Vivos. [Internet]. 2014 [acesso em 2016 abril 16]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/pnvuf.def.

Farias SR, Dias FSB, Silva JB, Cellere ALLR, Beraldo L, Carmona VE. Posição canguru em recém-nascidos pré-termo de muito baixo peso: estudo descritivo. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2017; 19(15): 38433. https://doi.org/10.5216/ree.v19.38433

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégias. Atenção humanizada ao recém-nascido: Método Canguru: manual técnico. 3. Ed. Brasília, 2017. 340p.

Heck GMM, Lucca HC, Costa R, Junges CF, Santos SV, Borck M. Compreensão do Sentimento Materno na vivência no Método Canguru. Revista de Enfermagem UFSM. 2016, 6 (1): 71-83. http://dx.doi.org/10.5902/2179769218083

Moraes MZ, Krieger D. Equipe de Saúde e integração dos pais dos recém-nascidos na unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Programa de Bolsas Universitárias do Estado de Santa Catarina (UNIEDU). [Internet] 2013. [Acesso em 2016 jul 08]. Disponível em: http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2013/10/Maria-Zenilda-Moraes.pdf.

Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. 2.ed. Brasília, 2011.

Gesteira ECR, Braga PP, Nagata M, Santos LFC, Hobl C, Ribeiro BG. Método Canguru: Benefícios e desafios experenciados por profissionais de saúde. Revista de Enfermagem UFSM. 2016, 6(4): 518-528. http://dx.doi.org/10.5902/2179769220524

Morais AC, Cohim ACOS, Almeida CR, Lima KDF. Itinerário Terapêutico de mãoes de crianças do Método Canguru. Revista Ciência Cuidado e Saúde. 2017, 16(2): 35994. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v16i2.35994

Peña CRC. Actitudes de la madre hacia el contacto precoz piel a piel com el recién nascido a término en la unidade de neonatologia hospital base II Essalud Huánuco 2014. [Internet] 2015. [Acesso em 2016 jun. 19]. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=782309&indexSearch=ID.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Atenção Humanizada ao Recém-nascido de Baixo Peso: Método Canguru- Caderno do Tutor. 3.ed. Brasília, 2014. 204p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, 2009. 63p.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 9 ed. Porto Alegre: Artmed, 2019.

Bardin L. Análise de conteúdo. 1.ed. São Paulo: Edições; 2016.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 13 de junho de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, 2012. 59-62p.

Cortes FC, Vieira LB, Landerdahl MC, Padoin SMM. Construção do feminino e do masculino: compreensão de uma equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. 2011; 16(2): 289-95.

Barcelos MS. A incorporação da família nos serviços de saúde: um debate a partir das concepções dos profissionais num hospital de alta complexidade. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina; 2011.

Campos KFC, Sena R, Silva KL. Educação permanente nos serviços de saúde. Esc. Anna Nery. 2017, 21(4). 10.1590/2177-9465-EAN-2016-0317

Amaro MOF, Mendlonça ET, Carvalho CA, Nakada KN, Siman AG, Ferreira NCS. Concepções e práticas dos enfermeiros sobre educação permanente no ambiente hospitalar. Arq. de Ciências da Saúde da UNIPAR. 2018, 22(2): 87-94. https://doi.org/10.25110/arqsaude.v22i2.2018.6337

Gontijo TL, Xavier CC, Freitas MIF. Avaliação da implantação do método canguru por gestores, profissionais e mães de recém-nascidos. Cad. Saúde Pública. 2012, 28(5): 935-944. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000500012

Montanha D, Peduzzi M. Educação Permanente em Enfermagem: levantamento de necessidades e resultados esperados segundo a concepção dos trabalhadores. Rev. Esc. Enferm. USP. 2010; 44(3): 597-604. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300007

Novaretti MCZ, Santos EV, Quitériol LM, Galotti MD. Sobrecarga de trabalho da Enfermagem e incidentes e eventos adversos em pacientes internados em UTI. Rev. Bras. Enf. 2014; 67(5): 692-699. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2014670504

Costa SD, Silva PLN, Gonçalves RPF, Soares LM, Filho WA, Souto SGT. O exercício da liderança e seus desafios na prática do enfermeiro. Journal of Management and Primary Health Care. 2017; 8(1): 49-65. Disponível em: URL: http://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/257

Stelmak AP, Freire MHS. Aplicabilidade das ações preconizadas pelo Método Canguru. Rev. Online de Pesquisa. 2017, 9(3): 795-802. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.795-802

Mantelli GV, Strapasson MR, Pierotto AA, Renosto JM, Silva JF. Método canguru percepções da equipe de enfermagem em terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFSM. 2017, 7(1): 51-60. http://dx.doi.org/10.5902/2179769221182

Publicado
2019-12-19
Cómo citar
1.
Nietsche EA, Papa MM, Terra LG, Reisdorfer AP, Ramos TK, Antunes AP. Método Canguru: estratégias de Educação Permanente para sua implementação e execução . Rev Cuid [Internet]. 19 de diciembre de 2019 [citado 6 de abril de 2020];11(1). Disponible en: https://revistacuidarte.udes.edu.co/index.php/cuidarte/article/view/897
Sección
Artículos de Investigación